Tag Archive: Centro Cultural da Justiça Federal


| Apresentação deste sábado, 30/06, às 15h, terá participação dos pianistas Thalysson Rodrigues, Ingrid Barancoski e Rachel Paixão |

Foto: Marcos Lucas

O concerto deste mês do grupo de compositores Prelúdio 21 será dedicado ao piano, somente com obras escritas para o instrumento. Em sua série no Centro Cultural da Justiça Federal, na Cinelândia, no Centro do Rio, a apresentação acontecerá neste sábado, dia 30 de junho, às 15h, com Ingrid Barancoski, Thalysson Rodrigues e Rachel Paixão, pianistas intérpretes convidados. As senhas serão distribuídas meia-hora antes do espetáculo.

No programa, as obras “Massas” (Neder Nassaro; pianista Rachel Paixão), “October 8” (Caio Senna; pianista Caio Senna), “Atonas” (Sergio Roberto de Oliveira; pianista Ingrid Barancoski), “As Quatro Estações” (Marcos Lucas) e “Intermitências IV” (José Orlando Alves) e “Tocata” (Alexandre Schubert; pianista Thalysson Rodrigues). Os concertos da série “Prelúdio 21 – Música do Presente” acontecem sempre no último sábado de cada mês.

Apresentação Prelúdio 21 – concerto com obras para piano
Local: Centro Cultural Justiça Federal – Teatro – Av. Rio Branco, 241 – Centro – Rio de Janeiro/RJ – Tel.: (21) 3261-2550
Data: dia 30/06 (sábado)
Horário: 15h
Classificação: livre
Distribuição de senhas meia-hora antes do espetáculo.

Anúncios
| Para o primeiro concerto do ano, grupo carioca de compositores contemporâneos convida o violonista Fábio Adour, o pianista Thalyson Rodrigues e o violoncelista Ayran Nicodemo |
Foto do grupo Prelúdio 21

Foto: José Nasser

Abrindo sua 11ª Temporada no Centro Cultural Justiça Federal e a 21ª de sua carreira, o grupo carioca de compositores contemporâneos Prelúdio 21 apresentará o concerto “De volta às origens”, no dia 28 de abril, às 15h. No programa, peças de “Decomposição” (Neder Nassaro), “Prelúdio” (Caio Senna), “Suite Imaginária” (Sergio Roberto de Oliveira), “Ricercare” (Marcos Lucas), “Fantasia para violão solo” (José Orlando Alves) e “Micropeças”, de Alexandre Schubert. Para o primeiro concerto do ano, o grupo convidou o violonista Fábio Adour, o pianista Thalyson Rodrigues e o violoncelista Ayran Nicodemo.

Os concertos da série “Prelúdio 21 – Música do Presente” acontecem sempre no último sábado de cada mês. A distribuição das senhas acontece meia hora antes dos espetáculos. A classificação é livre.

Prelúdio 21
Sete compositores se reuniram em 1998 com o intuito de divulgar sua música e a música erudita contemporânea em geral através da organização de recitais e palestras abertas ao público, com compositores brasileiros e estrangeiros, visando o intercâmbio de experiências. De lá pra cá, o grupo amadureceu e se estabeleceu como um dos mais importantes de música contemporânea do país, virando referência internacional. Desde 2008, o Prelúdio 21 realiza sua série de concertos no Teatro do Centro Cultural Justiça Federal, com uma média de público de 70 pessoas por concerto, com um total de mais de 600 espectadores por temporada. A série se estabeleceu como a mais importante da música contemporânea brasileira. Neste ano, terá ainda outros oito concertos, sempre no último sábado de cada mês, às 15h, até novembro. Em dezembro, o concerto de encerramento será no segundo sábado do mês, dia 10.

A série se destaca como a única permanente de música contemporânea na cidade do Rio de janeiro, e vem sendo considerada uma das mais importantes do Brasil. O grupo já foi tema de artigo na revista científica “Hodie” (“Grupo Prelúdio 21 – Uma Perspectiva”), que estuda justamente sua série, que acontece há 8 anos ininterruptos no Centro Cultural Justiça Federal. Em 2012 o grupo foi indicado ao Grammy Latino com o seu CD “Prelúdio 21 – Quartetos de Cordas”, na categoria “Melhor Álbum de Música Clássica”. O grupo segue sua trajetória com importantes resultados já apresentados, como temporadas com mais de 1.000 espectadores e concertos em espaços como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a Sala Cecília Meireles e Oi Futuro, além da já consagrada série no CCJF.

Apresentação do grupo Prelúdio 21 – concerto “De volta às origens”
Local: Centro Cultural Justiça Federal (Teatro) – Avenida Rio Branco, 241 – Centro – Rio de Janeiro – RJ – Tel.: (21) 3261-2550
Data: dia 28/04 (sábado)
Horário: 15h
Distribuição de senhas meia hora antes do espetáculo
Classificação: livre

Foto/arte: Reprodução

Comemorando 20 anos, a Mostra terá sessões de cinema, debates e mesas-redondas no Centro Cultural da Justiça Federal e na Uerj entre os dias 12 e 17 de dezembro. O evento busca valorizar documentários de caráter etnográfico, mapeando produções nacionais e internacionais. De acordo com a organização, o evento repercutiu no Brasil e no exterior e inspirou a criação de festivais em outras cidades, como Belo Horizonte, Manaus e Recife.  A curadoria é da antropóloga Patrícia Monte-Mór e coordenação de José Inácio Parente, fotógrafo, documentarista e psicanalista.

Programação no Centro Cultural da Justiça Federal
Programação de Filmes e debates:

Fórum de Cinema e Antropologia
Dia 12/12 – Filmes serão exibidos a partir das 14:30h. Senhas 1 hora antes. Sujeito a lotação da sala.
Carioca era um Rio, 74 min, de Simplício Neto
Depois rola o mocotó, 52 min, de Débora Herszenhut
A Batalha do Passinho, 72 min, de Emílio Domingos

Mesa redonda
Dia 12 /12, às 18:30h. Aberta ao público. Senhas 1 hora antes. Sujeito a lotação da sala.
A Mostra com o papel de formação
Simplício Neto (cineasta, Professor cinema UFF)
Débora Herszenhut – (mestranda em antropologia/IFCS-UFRJ, documentarista)
Eliska Altmann – Socióloga e pesquisadora de cinema (UFRRJ)
Emílio Domingos – (cineasta e cientista social)
Divino Tserewahu, cineasta.
Coordenação: José Inacio Parente (Fótografo, documentarista e psicanalista)

Dia 13/12 – Filmes serão exibidos a partir das 14:30h. Senhas 1 hora antes. Sujeito a lotação da sala.

Coutinho.doc: apto 608, de Beth Formaggini, 51 min.
Jean Rouch, subvertendo fronteiras, de Edgar Teodoro da Cunha, Ana Lucia Ferraz, Paula Morgado, Renato Sztutman, 41 min.
A língua do Peixe, Awayunync Kamayura, Samurai Kamayura, Tawana Kalapalo. Ficção 11 min.
Segredo, de Aiukuri Kuikuro, Amini Kuikuro, Kaiautá Kalapalo, Monai Kuikuro, Tuguhi Kuikuro, 13 min.

Mesa redonda
Dia 13/12, às 18h. Aberta ao público. Senhas 1 hora antes. Sujeito a lotação da sala.
20 anos de Mostra. Balanço: Caminhos da Antropologia Visual, novas perspectivas e desafios

Carlos Alberto de Mattos (critico de cinema)
Marc Piault (antropólogo visual, EHESS, diretor Festival Jean Rouch/Paris).
Edgar Teodoro da Cunha (antropólogo visual/LISA/USP)
Ruben Caixeta de Queiroz (antropólogo, diretor Fórum.doc/UFMG/BH).
Silvio Da-Rin (cineasta).
Coordenação: Patrícia Monte-Mór (antropóloga, NAI/UERJ).

Programação na UERJ – Auditório Cartola

Dia 16 dezembro, às 18h.
O Mestre e o Divino, de Tiago Campos, 83 min.
Debate com Patrícia Monte-Mór (NAI-UERJ/VNA) e com o antropólogo José Bessa (FACED-UERJ/VNA)

Dia 17 de dezembro, às 17:30h.
Conversa com Gilberto Velho, de Patrícia Monte-Mór, 24 min.
Depois rola o Mocotó, de Débora Herszenhut, 52 min.
A Batalha do Passinho, de Emilio Domingos, 72 min.
Debate com os realizadores.

Informações: pro.interior@gmail.com
Interior Produções. Tel.: 21 22394691

Projeto Livro de Rua

Foto: divulgação

Projeto Livro de Rua distribui 600 exemplares no Centro Cultural da Justiça Federal. Quem passar por lá poderá levar um livro gratuitamente, escolhido entre os títulos de romances, obras científicas, de autoajuda, didáticos, religiosos, para crianças e jovens, entre outros.

O único compromisso é passá-lo adiante depois de ler. Basta deixá-lo em algum local público (praça, posto de saúde, padaria, ponto de ônibus, bar), locais onde seja grande o movimento de pessoas. O evento é um programa do Instituto Ciclos do Brasil, mantido por voluntários e adeptos da causa da leitura, visando transformar o Rio de Janeiro em uma grande biblioteca pública.

De acordo com a assessoria do projeto, já foram “libertados” cerca de 20 mil livros – que são arrecadados através de doações – em diversas comunidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Duque de Caxias. Esta iniciativa é inspirada no bookcrossing, movimento realizado em mais de 130 países, que distribui gratuitamente livros de diversos gêneros pela cidade, com o intuito de que sejam “encontrados”, lidos e depois ganhem liberdade novamente.

Local: Centro Cultural da Justiça Federal – Av. Rio Branco, 241 – Cinelândia.
Data: Dia 28 de março, das 12h às 19h.

%d blogueiros gostam disto: