| Evento faz parte do MAR à tona, programa criado para abrigar diferentes manifestações culturais da cidade |
foto do Museu de Arte do Rio - MAR

Foto: divulgação

O Museu de Arte do Rio – MAR, sob a gestão do Instituto Odeon, será o palco da VI Conferência Funk, uma parceria entre o MAR e a Rio Parada Funk. Este evento faz parte do programa MAR à tona, criado para abrigar diferentes manifestações culturais da cidade, a fim de promover a diversidade cultural manifestada no Rio de Janeiro. A programação da primeira edição do MAR à tona acontecerá até o final do ano e terá, nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, palestras e debates sobre as temáticas sociais, culturais e artísticas do funk, além de estratégias para o movimento, com o objetivo de desmitificar e propagar a cultura funk no país. Os temas desta edição serão: FUNKEIRXS, o mundo funk por elxs; A Criminalização do Funk; 150: A Batalha do BPM e Funk, arte e cultura além do Ritmo. Além dos debates, haverá uma batalha de barbeiros, na quinta-feira, e uma apresentação de passinho na entrada do museu, na sexta-feira.

Em setembro, o MAR à tona tratará dos usos do espaço público na cidade com indivíduos pertencentes a comunidade de refugiados e ativadores culturais que utilizam a rua para mostrar suas expressões. Já em outubro, o tema será sobre o papel da mulher em diferentes esferas da sociedade. Todas as manifestações terão atividades na sala de encontros e nos pilotis do Museu. O encerramento do programa de 2017 contará com uma ocupação em todo o MAR, em que diferentes grupos de cultura urbana – com estéticas e narrativas distintas – mostrarão seus trabalhos no dia 2 de dezembro – um sábado – no Museu.

“O MAR nasceu em um momento de transformação da cidade. Primeiro marco da nova transformação da zona portuária do Rio de Janeiro, o Museu é mais um símbolo da transformação da paisagem carioca. Então, o objetivo do MAR é estar aberto às mais diversas práticas culturais, sempre em diálogo com seus vizinhos – primordialmente através do programa Vizinhos do MAR – e com seu público, criando atividades para além do Pavilhão de Exposições, com uma programação cultural diversificada, assim mantemos a sua característica básica de ser um espaço de encontros, onde as artes visuais dialogam em igual patamar com a cultura visual da cidade”, explica  curadora da programação MAR à toa, Julia Baker.

Confira a programação abaixo:

Continue lendo