Mostra reúne fotos não conhecidas pelo público, réplicas de objetos pessoais e músicas de diversas fases da carreira do artista |
Foto em preto e branco de Cazuza cantando em um palco

Foto: divulgação

No ano em que completaria 60 anos, Cazuza ganha uma exposição especial Teatro Firjan SESI Centro sobre sua vida e obra. Até o dia 14 de dezembro o público poderá conferir momentos de sua infância e juventude, o início da carreira com o Barão Vermelho e a fase da carreira solo. Com acervo da Fundação Viva Cazuza, a mostra conta com alguns objetos e fotos de momentos do artista não tão conhecidos do público em geral.

A exposição é dividida em seis fases diferentes da vida do cantor e compositor. São muitas curiosidades desde antes até do nascimento, como a origem do apelido pelo qual ficou famoso, que ganhou do pai ainda na barriga da mãe. Ele só passou a gostar do nome verdadeiro – Agenor de Miranda Araújo Neto – bem mais tarde, quando descobriu que um de seus compositores prediletos também se chamava Agenor. Outro fato interessante dele ainda menino é que, junto com o jornalista Pedro Bial, seu amigo de escola, entrevistou um dos maiores poetas brasileiros.

Foto em preto e branco de Cazuza de óculos escuros

Foto: divulgação

A mostra também conta a evolução artística de Cazuza, a indicação de Léo Jaime para fazer parte da banda que viria a ser o Barão Vermelho e o ápice da banda no Rock in Rio de 1985. Uma semana após a separação da banda ele foi internado e recebeu uma visita de um beija-flor em seu quarto. Foi a inspiração para um dos seus sucessos da carreira solo, “Codinome Beija-Flor”. O público também verá os momentos em que ele já estava doente e debilitado, mas ainda produzindo obras como “O tempo não para”.

A exposição disponibiliza fones de ouvido com clássicos de Cazuza para o público desfrutar, além de um painel com uma foto do artista em tamanho real, em que é possível tirar uma foto com ele. Ao longo de toda a mostra há vários bloquinhos com frases (versos) de letras de suas canções, que as pessoas podem destacar e levar pra casa.

Durante todo o mês de novembro, os teatros Firjan SESI vão receber shows especiais para cantar a obra de Cazuza. Amigos e parceiros dele, como George Israel, formam a banda “Cajueiros” e apresentam ao público as canções mais clássicas, como “Brasil” e “Ideologia”. Roberto Menescal, Leila Pinheiro e Rodrigo Santos vão apresentar o espetáculo “Faz parte do meu show”, renovando a obra do artista e interpretando seus maiores sucessores em ritmo de bossa nova. O Bloco Exagerado vai promover uma mistura de ritmos para mostrar que Cazuza tem muita afinidade com o Carnaval, fazendo uma festa com chocalhos, surdos, triângulos e tamborins. A entrada dos shows custa R$10 e a programação completa pode ser vista no site www.firjan.com.br/guiadecultura.

Exposição Cazuza 60 anos
Local:
 Teatro Firjan SESI Centro – Avenida Graça Aranha, nº 1 – Centro – Rio de Janeiro/RJ
Data: segunda a sexta, até 14 de Dezembro de 2018
Horário: 10 às 19h
Classificação: livre
Mais informações: Tel.: 21 2563-4163