Tag Archive: flauta doce


| Mostra abre no dia 23 de abril e reúne itens como retratos, partituras, discos e uma flauta do músico |

Imagem: Pixinguinha, 1967. Foto de David Drew Zingg / Acervo IMS / reprodução internet

Compositor, instrumentista, arranjador e maestro, Pixinguinha (1897-1973) é personagem fundamental na história da música brasileira. Sua vida e obra serão relembradas na exposição “Pixinguinha – Naquele tempo, hoje e sempre“, que o Instituto Moreira Salles do Rio inaugura no Dia Nacional do Choro, 23 de abril, às 17h. A data é consagrada como a do nascimento do compositor – embora pesquisa recente, realizada pelo pianista Alexandre Dias, aponte 4 de maio como o dia mais provável.

No dia da abertura, às 17h30, o músico Antônio Rocha tocará uma flauta que pertenceu a Pixinguinha. O instrumento é um dos itens exibidos na mostra, que também reúne partituras, discos e objetos pessoais de Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha. O conjunto integra o acervo do músico, sob a guarda do IMS desde 2000. A seleção ainda apresenta dez retratos feitos por fotógrafos cujas coleções também estão no Instituto Moreira Salles. A curadoria da exposição é de Luiz Fernando Vianna, coordenador da Rádio Batuta, a rádio de internet do IMS.

“Conhecer mais Pixinguinha é conhecer o que há de melhor na música brasileira. O público poderá ouvir suas composições e interpretações, além de ver preciosidades do seu acervo pessoal. É uma espécie de imersão na vida e na obra dele”, afirma o curador.

Um dos destaques da exposição, a flauta, da marca Barlassina & Billoro, foi a última tocada por Pixinguinha. No início da década de 1940, ele trocou de instrumento e adotou o sax-tenor. Sob encomenda do IMS, a flauta foi restaurada neste ano pelo músico Franklin Corrêa, o Franklin da Flauta. Na exposição há um vídeo no qual Corrêa explica o processo de restauro.

Também estão presentes quatro partituras originais escritas por Pixinguinha. Há, por exemplo, uma página do arranjo que ele fez em 1938 para sua composição mais célebre, “Carinhoso”. “Ele criou, a partir do final da década de 1920 e ao longo dos anos 1930, uma escola brasileira de arranjos”, diz Vianna. “A identidade sonora de sambas e marchinhas deve muito a Pixinguinha, que também desenvolveu um jeito nosso de gravar valsas, foxtrotes e outros gêneros não nascidos aqui.”

Os retratos selecionados para a mostra são de autoria de Walter Firmo, David Drew Zingg e Maureen Bisilliat, três dos grandes fotógrafos que integram o acervo do IMS. Um dos retratos, feito por Firmo para a revista Manchete, é a imagem mais célebre de Pixinguinha: ele com seu saxofone na mão, sentado em uma cadeira de balanço, no quintal de casa. Em vídeo que está na exposição, Firmo conta os bastidores da foto.

Em um tablet, o público pode ouvir oito músicas que formam um panorama da trajetória de Pixinguinha: de uma gravação de 1914, quando ele tinha 17 anos e já era admirado como flautista, até uma de 1950 em que ele canta, fato raro. Na seleção está “Rosa”, na voz de Orlando Silva. O famoso duo com Benedito Lacerda – um no sax, outro na flauta – está representado por “Ele e eu”, registro lançado em 1947.

Objetos pessoais estão em uma das vitrines: chapéus, gravatas-borboleta, abotoaduras, caneta e outros. As páginas do passaporte têm carimbos de Paris e Buenos Aires, remetendo às importantes viagens do conjunto Oito Batutas entre 1922 e 1923. Na outra vitrine, estão discos em 78 rpm e LPs que fazem parte do acervo de música do IMS. E, ainda, o contrato que Pixinguinha assinou com a RCA Victor Talking Machine Company of Brazil em 1929, tornando-se o primeiro arranjador brasileiro contratado por uma gravadora internacional.

Além dos vídeos citados, são exibidos outros registros audiovisuais produzidos pelo IMS, como o que reúne interpretações de “Carinhoso” nas vozes de Chico Buarque, Zélia Duncan, Joyce Moreno, Carminho e Monarco.

Também há uma cronologia preparada a partir das informações disponíveis no site pixinguinha.com.br. Lançado pelo IMS em 2017, o site é o mais completo banco de informações sobre o instrumentista e compositor. Usando um leitor de QR Code no celular, o visitante da exposição poderá acessar o site e também conhecer a série de 14 programas Pixinguinha na pauta, da Rádio Batuta.

Ao reunir esse conjunto variado, o IMS reforça a importância do legado do artista, um dos grandes nomes da música nacional, como ressalta o historiador Ary Vasconcelos, em sua famosa frase: “Se você tem 15 volumes para falar de toda a música popular brasileira, fique certo de que é pouco. Mas, se dispõe apenas do espaço de uma palavra, nem tudo está perdido; escreva depressa: Pixinguinha.”

Exposição “Pixinguinha – Naquele tempo, hoje e sempre”
Abertura: dia 23/04, às 17h; Apresentação do músico Antônio Rocha: 17h30
Local: Instituto Moreira Salles (IMS Rio) – Rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea – Rio de Janeiro/RJ – Tel.: (21) 3284-7400
Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo e feriados (exceto segundas-feiras), das 11h às 20h
Visitação: até 3 de novembro de 2019

Anúncios
| Evento apresentado por crianças do projeto terá canções de Beethoven, Tom Jobim e Luiz Gonzaga | 

Foto: divulgação

Um grande concerto da Orquestra Sinfônica Som + Eu celebrará a inauguração da nova unidade do projeto social, no bairro de Santa Cruz, no Palacete Princesa Isabel – Centro Cultural Municipal de Santa Cruz, dia 16 de abril, a partir de 18h. No repertório, assinado pela maestro Anderson Alves, estão canções de Beethoven, Tom Jobim e Luiz Gonzaga.

A iniciativa, que existe desde 2011 com atividades no centro da cidade do Rio e na Baixada Fluminense, já beneficiou mais de três mil crianças e adolescentes com aulas gratuitas de música clássica e instrumental, agora chegou à Zona Oeste do Rio. O projeto socioeducativo em Santa Cruz tem o patrocínio da Fábrica Carioca de Catalisadores SA. e, desde março, oferece aulas de canto coral, prática de orquestra e de instrumentos como violino, viola clássica, violoncelo, clarinete, flauta doce e transversal.

A presidente do Projeto Som +Eu, Valeria Seabra, comemora a expansão do projeto:
“Estamos transbordando de alegria por mais uma porta aberta, já estamos trabalhando para deixar um legado que vai contribuir para transformação de muitas vidas em Santa Cruz. A parceria da Fábrica Carioca de Catalisadores e o apoio das instituições públicas são fundamentais. Estamos todos juntos num mesmo objetivo, a transformação de vidas através da música. Estamos muito motivados e vamos fazer um grande evento para nossos parceiros, amigos e para a comunidade.” – comemora a presidente.

Concerto de estreia Projeto Som + Eu – Santa Cruz 
Local: Palacete Princesa Isabel – Centro Cultural Municipal de Santa Cruz – Rua do Matadouro, 45 – Santa Cruz – Rio de Janeiro – RJ
Data: dia 16/04 (segunda-feira)
Horário: 18horas
Capacidade de público: 200 pessoas
A organização do evento sugere que o público chegue com antecedência para garantir entrada.

%d blogueiros gostam disto: