Tag Archive: literatura


| Espaço em Botafogo promove último final de semana da arena de matemática, com nove jogos interativos para crianças, e da mostra “Visões de Futuros Possíveis”, com experiência imersiva |

Foto: Vinicius Magalhães

A atividade de “Contação de Histórias” entrou para a programação fixa da Casa Firjan, em Botafogo, sempre aos sábados, com duas sessões gratuitas, às 14h e às 16h, apresentando desde contos populares a textos de autores que são referência do universo infanto-juvenil. Com o objetivo de estimular a imaginação, despertar os sentidos e promover a conexão entre as pessoas, a Contação de Histórias integra a agenda do programa “Casa Aberta”, composta por atividades diversas, como mostras, oficinas e atrações culturais.

Também integram a programação a “Mostra Aquário”, que apresenta vídeos de especialistas nacionais e internacionais sobre os desafios do futuro e da nova economia, além da exposição “Mostra Pioneiros”, que traz a história de empreendedores do século XX que contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento socioeconômico do país, como Barão de Mauá, um dos pioneiros da industrialização nacional.

Foto: Thiago Ripper

Encerramento da arena com jogos de matemática
O final de semana também marca o encerramento da mostra “Visões de Futuros Possíveis”, que propõe uma experiência imersiva em projeções de futuros alternativos, e da “Arena Firjan SESI Matemática”, que oferece nove atividades que estimulam o aprendizado da matemática a partir de brincadeiras voltadas para crianças e adolescentes entre 4 e 16 anos. Os jogos trabalham conceitos como conjuntos numéricos; intervalos; operações de adição, subtração, divisão e multiplicação; equações de 1º e 2º graus; formas geométricas; e raciocínio lógico.

Foto: Paula Johas

Bicicleta de rodas quadradas
Experiência de andar em uma bicicleta com rodas quadradas de tamanhos diferentes, porém alinhadas, em um terreno ondulado. A ideia é trabalhar com o conceito da matemáticacicloide”. A atividade é direcionada a crianças a partir de 4 anos de idade, duas por vez, durante 5 minutos.

Solte a imaginação
O participante é convidado a criar mosaicos coloridos, formas geométricas e objetos em 3D a partir de peças em acrílico. A atividade é direcionada a crianças a partir de 4 anos de idade, seis por vez, durante 5 minutos.

Programação de sábado (25/05)
Das 10h às 20h:
– Atividades do programa “Casa Aberta”
A partir das 10h: Visões de Futuros Possíveis (experiência imersiva); Arena Firjan SESI Matemática (jogos interativos); Mostra Aquário; Mostra Pioneiros
14h e 16h: “Contação de Histórias”

Programação de domingo (26/05)
Das 12h às 18h
– Atividades do programa “Casa Aberta”
A partir das 12h: Visões de Futuros Possíveis (experiência imersiva); Arena Firjan SESI Matemática (jogos interativos); Mostra Aquário; Mostra Pioneiros

Serviço:
Entrada: gratuita
Endereço: Rua Guilhermina Guinle 211, Botafogo – Rio de Janeiro/RJ
Horários de funcionamento:
Terça a sábado – das 10h às 20h / Domingo – 12h às 18h / Segunda-feira: fechada para visitação

Clique em “Leia mais” ou em “View full article” e saiba mais sobre a Casa Firjan.

Compre Livros Infantis em Promoção no Magazine Você!

Continue lendo

Anúncios
| Aula inaugural acontece dia 14/05 e contará com  a presença de amigos do músico, como Flavia Oliveira, Letícia Sabatella, Leonardo Lichote e José Júnior |

Foto: divulgação

Estão abertas as inscrições para o ciclo “Narrativas Curtas – Uma Homenagem a Marcelo Yuka”, que o Museu de Arte do Rio – MAR, sob a gestão do Instituto Odeon e por meio da Escola do Olhar, oferece em parceria com a FLUP – Festa Literária das Periferias. O curso funciona como uma espécie de concurso no qual os alunos serão estimulados a produzir contos sobre um dos títulos indicados nas aulas. Posteriormente, os textos serão reunidos em um livro que será publicado pela FLUP em 2020.  Os interessados em participar de todo o ciclo “Narrativas Curtas”, que acontece entre os dias 21 de maio e 23 de julho, devem ser maiores de 16 anos se inscrever pelo link http://bit.ly/NarrativasCurtas.

A aula inaugural do curso será uma grande celebração à obra de Marcelo Yuka. O encontro acontece no dia 14 de maio, às 17h, e vai reunir poetas e amigos do artista, como Renato Fontes, DJ TR, Orlando Zacconi, Marcelo Lobato, Giovana Hallack, Fred Coelho, Edu Alves, Leonardo Lichote, MC Leonardo, Flávia Oliveira, José Junior, Letícia Sabatella, Eliane de Souza e Numa Ciro. Os inscritos no ciclo “Narrativas Curtas” já têm lugar garantido na aula aberta, mas quem não está poderá participar do encontro inaugural fazendo a inscrição pelo link: http://bit.ly/VivaMarceloYuka.

Por intermédio do Ciclo de Narrativas Curtas, processo de formação de novos autores da Festa Literária das Periferias – FLUP, já foram lançadas sete elogiadas coletâneas de contos. O curso revelou talentos emergentes da literatura brasileira como Ana Paula Lisboa e Geovani Martins. Os dois últimos lançamentos, as coletâneas “90 anos de Malandragem” e “Conta Forte, Conta Alto”, homenagearam os mestres do samba Bezerra da Silva e Martinho da Vila, respectivamente.

O Museu de Arte do Rio – MAR
Uma iniciativa da Prefeitura do Rio em parceria com a Fundação Roberto Marinho, o MAR tem atividades que envolvem coleta, registro, pesquisa, preservação e devolução à comunidade de bens culturais. Espaço proativo de apoio à educação e à cultura, o museu já nasceu com uma escola – a Escola do Olhar –, cuja proposta museológica é inovadora: propiciar o desenvolvimento de um programa educativo de referência para ações no Brasil e no exterior, conjugando arte e educação com base no programa curatorial que norteia a instituição.
O MAR é gerido pelo Instituto Odeon, uma organização social da Cultura, selecionada pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro por edital público. O museu tem o Grupo Globo como mantenedor, a Equinor como patrocinadora master e a Rede D’Or São Luiz como apoiadora de exposições por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.
A Escola do Olhar conta com patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Dataprev, TNA, In Press e BNY Mellon por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS e do Machado Meyer Advogados via Lei Federal de Incentivo à Cultura.
O MAR conta também com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e realização do Ministério da Cidadania e do Governo Federal do Brasil por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Narrativas Curtas – Uma Homenagem a Marcelo Yuka
Local: Museu de Arte do Rio – MAR – Praça Mauá, 5, Centro – Rio de Janeiro/RJ
Data: aula inaugural – dia 14 de maio, às 17h

| “Fim de Semana no MAST” terá atividades como observações do Sol e do céu e sessão de cinema com o tema “Elas Fazem Ciência!” |

Foto: Prédio Sede MAST – divulgação

Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), em São Cristóvão, completou 34 anos de existência, e quem ganha o presente é o público. Neste sábado (16/03) e domingo (17), a programação está repleta de atividades gratuitas para os visitantes celebrarem esta data especial e desvendarem diversas curiosidades sobre o Universo. O “Fim de Semana no MAST” é uma boa oportunidade para conhecer as exposições em destaque e o Campus, onde se encontram as cúpulas e lunetas que foram utilizadas por gerações de cientistas para estudar o céu.

A partir das 14h os visitantes poderão conhecer as exposições permanentes do MAST. Entre os destaques está a mostra Faz Tempo, que, de maneira criativa e interativa, conta como o tema está presente não somente nas diferentes áreas do conhecimento, mas também na literatura, na música e na poesia. Instalada em dois pavilhões do Campus do MAST – o da Luneta Equatorial 21 e o do Circulo Meridiano de Gautier – a mostra tem entre as curiosidades surpreendentes um “extraterrestre” de verdade: um meteorito que é mais antigo do que a própria Terra. Um verdadeiro testemunho do tempo.

No sábado (16), às 15h, o público vai poder participar da Observação do Sol e conhecer as estruturas do astro-rei, como manchas solares, protuberâncias e filamentos, por meio dos projetores e telescópios especiais. Às 15h, o Cine Ciência traz o tema Elas Fazem Ciência!, abordando como as mulheres foram protagonistas na construção do pensamento científico e importantes para o desenvolvimento e o avanço da ciência e da sociedade. Serão exibidos curtas-metragens que destacam a presença feminina nas ciências, suas conquistas e a forma como cada uma delas superou alguns paradigmas para entrar na história. A atração ainda conta com um debate com a astrônoma do MAST Patrícia Spinelli, a física e pesquisadora do Observatório Nacional Josina Nascimento, e a escritora e professora de física do CEFET Elika Takimoto.

No fim da tarde acontecerá o tradicional Programa de Observação do Céu, no qual é possível observar planetas, estrelas e fenômenos estudados pela astronomia, por meio de uma luneta construída no início do século XX e de telescópios modernos. É uma chance de conhecer melhor os astros e as configurações celestes.

Outra atração é o Planetário Inflável Digital, com sessões às 15h e 17h, onde o público poderá ver as projeções do céu, observando e entendendo os movimentos celestes e conhecer as constelações mitológicas. Neste fim de semana astrônomos farão a mediação nestas sessões, em que será possível entender o movimento aparente das estrelas, o Cruzeiro do Sul e a sua utilização para localizar os pontos cardeais terrestres. O Planetário também será destaque no domingo (17), dando a oportunidade para o visitante conhecer as principais características do sistema solar, com temas como ecologia, exploração espacial e vida em outros planetas.

Fim de Semana no MAST
Local: Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST – Rua General Bruce, 586 – São Cristóvão – Rio de Janeiro/RJ – Tels.: 21 3514-5299/3514-5229
Sábado (16/03) – Funcionamento do Museu: das 14h às 19h
– Visita às exposições internas do Museu de Astronomia
– Cine Ciência – Auditório do Prédio Anexo – 15h
Tema Elas Fazem Ciência! – Exibição de curtas-metragens que destacam a presença feminina nas ciências, seguida de breve debate – sugerido para adultos e crianças a partir dos 12 anos
– Programa de Observação do Sol – Lateral do Museu – 15h
– Programa de Observação do Céu – Luneta Equatorial 21 – das 17h30 às 20h
Domingo (17/03) – Funcionamento do Museu: das 14h às 18h
– Visita às exposições internas do Museu de Astronomia
– Planetário Inflável – 15h e 17h (serão distribuídas 30 senhas para cada sessão, a partir das 14h)

| Programação do “MAR de Oswaldo Cruz e Madureira”, neste sábado, 9/02, inclui debate sobre enredo de 2019 da Portela, sessão de cinema, oficinas de surdo e roda de samba | 

Foto: divulgação

Foto: divulgação

O Museu de Arte do Rio – MAR, sob gestão do Instituto Odeon, recebe uma programação especial dedicada ao samba no dia 09 de fevereiro (sábado). As atividades começarão às 10h, com um debate sobre o enredo da Portela para o Carnaval 2019, que contará com a participação da carnavalesca Rosa Magalhães, do escritor e jornalista Vagner Fernandes, do presidente do Conselho Deliberativo e um dos autores do samba enredo, Fábio Pavão, e do presidente da escola de samba, Luis Carlos Magalhães, que mediará a conversa.

Foto de Rosa Magalhães e Luis Carlos Magalhães

Foto: divulgação

Após o bate-papo haverá uma sessão de autógrafos do livro “E vai rolar a festa…” (2018), de Rosa Magalhães. A obra é um relato sobre sua experiência de criar e produzir a festa de encerramento das Olimpíadas Rio 2016 e as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007 – evento pelo qual foi premiada com o Emmy de “Melhor Figurino”.

Ao longo do dia serão realizadas visitas mediadas à exposição “O Rio do samba: resistência e reinvenção“, sessão de cinema com os filmes do coletivo Por Telas e oficinas de surdo.

A programação encerra com uma roda de samba comandada pelo Samba dos Crias, grupo formado pelos ritmistas da Portela, às 16h30.

 

 

 

Programação:
10h – Debate sobre enredo com Rosa Magalhães, Fabio Pavão e Vagner Fernandes | Mediação: Luis Carlos Magalhães.
Local: Pavilhão de exposições
10h30 – Sessão de autógrafos do livro “E vai rolar a festa…” (2018), de Rosa Magalhães.
Local: Pavilhão de exposições
11h – Visita mediada à exposição “O Rio do samba: resistência e reinvenção”.
Local: Pavilhão de exposições
12h às 14h – Pausa para o almoço
14h – Visita mediada à exposição “O Rio do samba: resistência e reinvenção”.
Local: Pavilhão de exposições
14h30 – CineSamba – Serão exibidos os filmes Por Telas: “Um Craque Esquecido”, “Do Samba ao Sample: Entre duas Culturas” e “Procuram-se Mulheres”. Além disso, haverá exibição do documentário originado a partir da criação do Perímetro Cultural.
Local: Auditório
14h30 – Oficina de surdo com os mestres do Samba dos Crias.
Inscrições em http://bit.ly/OficinaSambaDosCrias
Local: Pavilhão de exposições
15h30 – Debate com os diretores Cecília Rabello, idealizadora do Por Telas, Vereador Reimont e Rogério Rodrigues, idealizador do Perímetro.
Local: Auditório
16h30 – Encerramento com roda de samba comandada pelo Samba dos Crias.
Local: Pilotis

MAR de Oswaldo Cruz e Madureira
Local: Museu de Arte do Rio (MAR) – Praça Mauá, nº 5 – Centro – Rio de Janeiro/RJ
Data: dia 09/02 (sábado)
Horário: a partir das 10h
Classificação: livre

| “Hora de Clarice”, com atividades sobre crônicas da escritora, acontece dia 11/12, no Rio e em SP |
Foto da escritora Clarice Lispector

Foto: Bluma Wainer. Acervo Clarice Lispector/IMS

Consagrada por romances como A paixão segundo G.H. e A hora da estrela, Clarice Lispector (1920-1977) também foi uma exímia cronista, ainda que não se sentisse totalmente à vontade com o gênero. Esse viés de sua produção será abordado na próxima edição do evento Hora de Clarice, realizado no dia 11 de dezembro (terça-feira), nas sedes do Instituto Moreira Salles (IMS) no Rio de Janeiro e em São Paulo. Organizado anualmente, o projeto foi lançado pelo IMS em 2011 com o intuito de fazer com que a data de nascimento da escritora, 10 de dezembro, faça parte do calendário cultural do país.

No IMS Rio serão abordados os textos de Lispector publicados na imprensa. Às 20h, a atriz Clarice Niskier lerá crônicas da escritora selecionadas por Eucanaã Ferraz, consultor de literatura do instituto. A leitura será pontuada por breves peças musicais compostas por Vitor Niskier Braga especialmente para a apresentação. Segundo Ferraz, Clarice “dobrou a língua portuguesa, que não havia chegado ainda nesse nível de experimentação, de sutileza. Ela faz no século XX o que Machado de Assis fez no século XIX.”

No IMS Paulista, a atividade terá início às 19h, com uma leitura de crônicas de Lispector realizada pela escritora Andréa del Fuego. Em seguida haverá uma palestra com Pedro Karp Vasquez, responsável pela obra da autora na editora Rocco e organizador do volume Todas as crônicas, lançado este ano. O livro reúne, pela primeira vez, na íntegra, os textos do gênero escritos por Lispector para periódicos, especialmente o Jornal do Brasil, e revistas, como Senhor Joia.

Em texto publicado no site do IMS dedicada à autora, Bruno Cosentino escreve sobre a relação de Lispector com a crônica. Resistente à ideia de escrever para ganhar dinheiro, ela costumava expor seus desconfortos com o gênero. “Na literatura de livros permaneço anônima e discreta. Nesta coluna estou de algum modo me dando a conhecer. Perco minha intimidade secreta? Mas que fazer? É que escrevo ao correr da máquina e, quando vejo, revelei certa parte minha”, afirmou. Com o tempo, no entanto, a prática proporcionou gratificação. “Escrevi nove livros que fizeram muitas pessoas me amar de longe. Mas ser cronista tem um mistério que não entendo, […] tem me trazido mais amor ainda. Sinto-me tão perto de quem me lê.”

O acervo da escritora está sob a guarda do IMS desde 2004, sendo formado por uma biblioteca de cerca de 800 livros e um arquivo com seis documentos, entre os quais manuscritos dos romances A hora da estrela e Um sopro de vida, correspondências, um caderno de notas, entre outros itens. Além de promover a Hora de Clarice, o IMS já homenageou a escritora com o volume duplo (17-18) dos Cadernos de Literatura Brasileira. Também lançou o livro Clarice Lispector – Figuras de escrita, de Carlos Mendes de Sousa, e organizou a mostra Clarice, pintora, exibida em 2009 no IMS Rio. Em 2012, criou um site dedicado à escritora.

Além das sedes do Rio e de São Paulo, o IMS Poços apresenta uma atividade educativa em homenagem à escritora. No dia 10 de dezembro, às 9h, o centro cultural realizará uma oficina com os alunos da Escola Municipal Antônio Sérgio Teixeira baseada na obra da autora. O IMS também convida parceiros e amigos para celebrar o aniversário de Lispector. Assim como nos anos anteriores, tanto a programação do IMS como a das instituições parceiras estarão disponíveis no site horadeclarice.ims.com.br.

Hora de Clarice
Local: Auditório do IMS Rio – Rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea – Rio de Janeiro/RJ – Tel.: (21) 3284-7400
Data: dia 11/12
Horário: 20h
Distribuição de senhas 30 minutos antes e limite de 1 (uma) por pessoa

Noca da Portela lança Livro-CD na UERJ

| Artistas como Aluísio Machado, Zé Katimba, Rosa Magalhães e Tiãozinho da Mocidade também marcam presença em evento desta quarta-feira | 
Foto de Noca da Portela

Foto: reprodução Facebook

No dia 12 de dezembro, às 19h, o Teatro Odylo Costa, filho (Teatro da Universidade Do Estado do Rio de Janeiro -UERJ) recebe Noca da Portela para o Show de Lançamento do Livro-CD Noca: da Portela e de todos os sambas, realizado pelo Acervo Universitário do Samba da UERJ.

A obra conta a trajetória do sambista desde sua juventude até suas vivências na G.R.E.S Portela. O livro-CD, lançado em comemoração aos 86 anos do compositor, foi escrito pelo professor Marcelo Braz (UFRJ), tem apresentação de Luiz Antonio Simas, prefácio do professor Roberto Medronho e contracapa assinada por Paulinho da Viola.

Outros artistas biografados pelo projeto, como Aluísio Machado, Zé Katimba, Rosa Magalhães e Tiãozinho da Mocidade marcam presença no evento, além de renomadas figuras do mundo do samba. Estudantes que forem ao evento receberão certificados para horas complementares.

Show de Lançamento do Livro-CD de Noca da Portela
Local: Teatro Odylo Costa, filho – Rua São Francisco Xavier, 524 – Campus UERJ Maracanã (próximo à estação Maracanã da SuperVia e MetrôRio)
Data: dia 12/12 (quarta-feira)
Horário: 19h
Duração: 60 minutos
Classificação indicativa: 12 anos
Informações: tel.: 21 2334-0681
Acessibilidade para pessoas com deficiência

| “Jota Rodrigues – A Arte da Vida Atrevida” fica em cartaz de 1º/11/2018 a 3/03/2019 |

Foto: Francisco Moreira da Costa – Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular 

O poeta pernambucano radicado em Nova Iguaçu Jota Rodrigues, falecido em fevereiro deste ano, será homenageado em uma exposição idealizada pelo Sesc RJ, que será inaugurada no dia 1º de dezembro, em sua unidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A mostra, batizada de “Jota Rodrigues – A Arte da Vida Atrevida”, aborda a vida e a obra do cordelista, que, além de autor de mais de 400 títulos, também foi xilógrafo, gráfico, músico e estudioso de fitoterapia. Idealizada pelo Sesc RJ, a exposição tem a curadoria do antropólogo Ricardo Gomes Lima, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ.

A exposição conta a história de Jota por meio de um painel ilustrado e apresenta sua vasta produção artística. Entre as peças que serão exibidas estão manuscritos, fotografias, folhetos de cordel escritos e impressos pelo próprio artista, matrizes em madeira, xilogravuras em papel e tecido e registros etnográficos dos diversos conjuntos musicais criados por ele. A mostra também adentra no mundo das plantas medicinais que ele estudava e cultivava em seu jardim para distribuir a amigos e vizinhos. O acervo pertence à Maria Aparecida de Oliveira, filha do artista.

Cidadão Iguaçuano, patrono de bibliotecas e premiado pelo MinC– Pernambucano de Águas Belas, pai sertanejo e mãe da etnia Carijó/Fulni-ô, Jota Rodrigues chegou à Baixada Fluminense em 1964. Estabeleceu-se com mulher e filhos em Nova Iguaçu, na região do Morro Agudo (hoje Comendador Soares). Faleceu em 22 de fevereiro de 2018, não sem antes ter seu valor reconhecido na região que escolheu para viver e também nacionalmente. Foi patrono e deu nome a diversas bibliotecas escolares e comunitárias da região e, em 2007, recebeu o Prêmio Culturas Populares, do Ministério da Cultura. Em 2009 a Câmara Municipal de Nova Iguaçu lhe concedeu o título de Cidadão Iguaçuano. Em 2018, recebeu homenagem póstuma na 8ª Conferência Municipal de Nova Iguaçu. O município receberá a exposição em março de 2019, também na unidade do Sesc.

Bate-papo com a filha e pesquisadores – A abertura da exposição, neste sábado (1/12), às 15h, contará com um bate-papo sobre a vida e a obra do artista. O encontro reunirá a filha, Maria Aparecida, o curador Ricardo Lima e a pesquisadora Cáscia Frade (UERJ). Como os três conviveram com Jota Rodrigues e estudaram a sua obra, o tema será as características do trabalho do artista, assim como aspectos da sua vida pessoal e profissional. Conterrâneo do homenageado, nascido no mesmo município, o ator e cordelista Edmilson Santini fará uma intervenção artística baseada na obra do poeta.

Exposição Jota Rodrigues – A Arte da Vida Atrevida
Local: Sesc Duque de Caxias – Rua General Argolo, 47 – Jardim 25 de Agosto/RJ – Tel.: 21 3659-8377
Abertura: dia 1/11/2018, às 15h
Visitação: de terça a sábado (exceto feriados), das 8h às 17h
Período: até 03/032019
Classificação indicativa: livre

| Recital cênico “Poesia de Pai para Filho – Encontro de Duas Gerações” terá única apresentação, nesta quarta-feira, dia 21 de novembro, na Gávea |

Foto: divulgação

Após sucesso em Brasilia, Porto Alegre, Curitiba e Belo Horizonte, o espetáculo teatral “Poesia de Pai para Filho – Encontro de Duas Gerações” chega ao Rio de Janeiro em única apresentação, no Teatro das Artes, na Gávea, no dia 21 de novembro, às 20h. No palco, o escritor Fabrício Carpinejar homenageia Carlos Nejar, seu pai.

A peça é comemorativa às seis décadas de literatura de Carlos Nejar (79 anos de idade), membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), e indicado ao Nobel pela Academia Brasileira de Filosofia, e aos 20 anos de carreira de Carpinejar (45 anos), que já recebeu prêmios como o Jabuti e o da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA).

Esta é a primeira vez que os poetas se unem para uma apresentação com proposta de mostrar a troca de experiências e de cumplicidade entre pai e filho. No texto do espetáculo, escrito a quatro mãos, momentos de suas trajetórias líricas. Nejar faz leitura de seus poemas prediletos, Fabrício conta histórias da convivência entre eles. No recital cênico, o poeta faz perguntas ao pai, que só pode responder em forma de poemas.

Espetáculo teatral “Poesia de Pai para Filho – Encontro de Duas Gerações”
Local: Teatro das Artes – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea, Rio de Janeiro – RJ – Tel.: (21) 2540-6004
Data: dia 21/11 (quarta-feira)
Horário: 20h
Capacidade de público: 421 lugares

 

| Espetáculo infantil será encenado em homenagem ao Dia do Descobrimento do Brasil |

Foto: divulgação

O Domingo no Top desta semana apresentará a peça teatral “A Viagem Fantástica”, a partir das 16h, em homenagem ao Dia do Descobrimento do Brasil. A encenação da atração infantil acontecerá no 3º piso do TopShopping, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

O espetáculo conta a história de um menino que não gostava de ler. Ao conhecer o senhor Merlim, dono de uma livraria muito especial, ganha de presente um livro mágico que é capaz de transportá-lo para dentro das histórias. Assim ele conhece os personagens mais inusitados, inclusive o homem responsável pelo descobrimento do Brasil.

Peça teatral infantil “A Viagem Fantástica”
Local: TopShopping (3º piso – Expansão) – Avenida Governador Roberto Silveira, 540 – Centro – Nova Iguaçu – RJ – Tel.: (21) 2667-1787
Data: dia 22/04 (domingo)
Horário: a partir das 16h

Exposição reúne trabalhos de 16 escritores do país que produzem obras em vídeo, objeto, desenho e instalação |

Foto: divulgação

O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, no Centro do Rio, recebe, do dia 3 de março a 5 de maio, a mostra Rejuvenesça: Poesia Expandida Hoje. Com curadoria de Pollyana Quintella e produção de Ana Hortides, Rejuvenesça é uma exposição voltada para a produção de poetas e escritores que exploram outros formatos além do livro. 
Serão exibidos trabalhos de 16 escritores, oriundos de vários lugares do país, que produzem obras em vídeo, objeto, desenho e instalação. Ainda assim, a palavra e a escrita continuam como questões centrais de investigação. Em 1959, Ferreira Gullar fez o “poema enterrado”, que consistia na sobreposição de cubos de tamanhos diferentes (vermelho, verde e branco). O leitor-visitante ia levantando um a um e, por fim, encontrava enterrada a palavra “Rejuvenesça”. Dessa forma, a exposição considera o “poema enterrado” como uma experiência emblemática de poema espacial (curiosamente, foi a despedida de Gullar do neoconcretismo), fazendo uma homenagem ao grande poeta.
“Em alguns trabalhos, a recorrência a outras mídias é um modo de dar à narrativa novos complementos visuais, em outros é um modo de transformar a escrita em algo menos significante, mais absurdo. Em todos, persiste o exercício de materializar, espacializar e performatizar a linguagem escrita, e isso poderá ser visto na exposição de diferentes maneiras. Por isso, trazer a literatura para o meio das artes visuais é um modo de provocar encontros e contaminações entre os dois campos, buscando novos diálogos e soluções entre essas duas manifestações”, declara a curadora Pollyana Quintella.
Fazem parte da exposição os poetas e escritores Adelaide Ivánova, Carlos Augusto Lima, Catarina Lins e Priscila Fiszman, Dimitri Rebello, Érica Zíngano, Frederico Klumb, Guilherme Zarvos, João Reynaldo, Luca Argel, Lucas Matos, Marília Garcia, Oficina Experimental de Poesia, Reuben da Rocha, Tazio Zambi e Victor Heringer.
A mostra também contará com uma mesa de debates com os poetas e a curadora e um cineclube.
Rejuvenesça: Poesia Expandida Hoje
Local: Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica – Rua Luis de Camões, 68 – Centro – Rio de Janeiro – RJ – Tel.: (21) 2242-1012 – próximo à Av. Passos e à Praça Tiradentes

Período: de 3 de março a 5 de maio de 2018 
Funcionamento: de segunda a sábado, das 12h às 18h. Fechado aos domingos e feriados 
Classificação: livre
| Encontro promove debate sobre o livro “Menina bonita do laço de fita”, de Ana Maria Machado |
foto da capa do livro Menina bonita do laço de fita

Foto/arte: divulgaçao

Em celebração ao mês da Consciência Negra, no dia 26 de novembro (domingo), às 16h, a Livraria Leitura do Américas Shopping promove debate sobre o livro “Menina bonita do laço de fita”, da escritora Ana Maria Machado. A proposta do encontro é falar sobre o universo da alfabetização, a leitura na infância e o racismo. As inscrições são gratuitas e limitadas.

A mesa de debate será composta por Lissandra de Oliveira, especialista em Leitura Dinâmica e Otimização do Estudo e idealizadora do projeto Fábrica de Leitores; pela professora de língua portuguesa Eduarda Girard; pedagoga Andressa Leal; professora alfabetizadora Danielle Calixto. O evento também irá contar com a participação especial dos alunos Pedro Lisboa e Bianca Pimentel – crianças que leram o livro e estão em fase de alfabetização.

Publicado pela Editora Ática, o livro conta a história de uma linda menina negra que desperta a admiração de um coelho branco, que deseja ter uma filha tão negra quanto ela. Cada vez que ele lhe pergunta qual o segredo de sua cor, ela inventa uma história. O coelho segue todos os “conselhos” da menina, mas continua branco.

O evento faz parte do projeto Fábrica de Leitores, uma iniciativa do Instituto de Otimização da Mente (IOM), em parceria com o Instituto Angelicum. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (21) 96460-8111 ou pelo e-mail contato@fabricadeleitores.com.br.

Debate do livro “Menina bonita do laço de fita”
Local: Livraria Leitura do Américas Shopping – Av. das Américas, 15.500 – Recreio dos Bandeirantes
Dia: 26/11 (domingo)
Horário: 16h
Informações: (21) 96460-8111 / contato@fabricadeleitores.com.br

​​
| Festa da Rua – Rio de Histórias a Céu Aberto reúne mais de 40 atrações, entre shows, intervenções e oficinas |

Foto: divulgação

Um dos parques mais emblemáticos do Brasil será palco da Festa da Rua – Rio de Histórias a Céu Aberto, ocupação literária que o Instituto Tear promove anualmente na cidade. O festival acontecerá no próximo sábado, dia 25 de novembro, no Campo de Santana, na Praça da República, região central do Rio de Janeiro, e contará com mais de 40 atrações para todas as idades.

A programação, que começará às 9h e se estenderá até às 14h, inclui contação de histórias, cirandas, brincadeiras musicais, intervenções, oficinas e shows. Cerca de 150 artistas devem participar do evento, entre eles Junu Ramos e Terreirada Cearense, Choro da Glória, Grupo Dandalua, Festival Carioca de Contação de Histórias, Edmilson Santini, Lata Doida, Poesia Viral, Peneira, Cacuriança e coletivos do projeto Trilhas Literárias.

Mais do que uma sucessão de apresentações e oficinas, o festival é um movimento de resistência cultural onde os encontros e trocas criam o lugar como espaço a ser vivido.

“A Festa da Rua tem como principal objetivo promover a construção de um novo olhar sobre a cidade, ativando a amabilidade contida no espaço urbano e fortalecendo os sentidos de pertencimento, de cuidado e de apropriação”, destaca Patricia Freitas, do Instituto Tear.

Localizado entre a Central do Brasil e a Saara, o Campo de Santana possui uma vocação política e poética como local que abrigou festas, aclamações e manifestações populares que marcaram a história do Rio de Janeiro e do País, sobretudo no Século XIX. Esses registros encontram-se presentes nas obras de escritores, poetas, cronistas e folcloristas, e a Festa da Rua busca sensibilizar, estimular, mobilizar e convocar os moradores da cidade a reativarem o local como espaço do povo, de encontros, de interações e de criação.

Sobre a Festa da Rua

A Festa da Rua é um evento público realizado anualmente desde 1980 pelo Tear, e destina-se à ocupação dos espaços públicos da cidade para o compartilhamento de fazeres e saberes de mestres, brincantes, artistas populares e a comunidade.  O evento reúne diversas oficinas nas várias linguagens da arte, Pés-de-Livro, jogos e brincadeiras, intervenções estéticas, saraus, música, performances, mostras fotográficas, de artes visuais e multimídia, e tudo aquilo que agregar afetos pela troca de experiências e pensamentos.

Sobre o Instituto Tear

O Tear é uma organização que atua desde 1980 nas áreas da educação, arte e cultura, tendo sido reconhecido, em 2005, como Ponto de Cultura pelo Ministério da Cultura e em 2014 como Pontão de Cultura e Educação, encarregado da formação e fortalecimento da Rede de Pontos de Cultura. Ao longo dos anos, construiu uma metodologia de trabalho, com centralidade na arte, pautada nas relações entre expressão criadora, ludicidade, conhecimento e cidadania, tornando-se um centro de referência nacional no campo da arte-educação. A missão do Tear é promover o desenvolvimento humano nas dimensões éticas e estéticas, através da arte- educação/ambiental, contribuindo à transformação social.

Programação:

– Poesia Viral, com o Cordel: A peleja da princesa Jesebel, com o violeiro Magrilin;
– Cia Roseira D´Água, com Toque de Caixa para o Divino e Brincadeira de Cacuriá
– Mais de 20 oficinas com arte-educadores do Tear e convidados;
– Casa da Rosinha;
– Lata Doida;
– Ojá Turbante;
– Cacuriança;
– Fabio Lima;
– Raphael dos Santos;
– Edmilson Santini;
– Roda de Danças Populares, com Grupo Dandalua;
– Roda de Choro, com Choro da Glória;
– Roda de Capoeira, com Associação Lagoa Azul Capoeira RJ;
– Aulão Dança Afro, com AFRO Conexões;
– Mostra do Festival Carioca de Contação de Histórias;
– Pé de Livro;
– Performances;
– Oficina de intervenção temporária | LabIT 2017;
– Intervenções com a Peneira;
– Pocket show com Junu e Terreirada Cearense.

Festa da Rua – Rio de Histórias a Céu Aberto
Local: Campo de Santana, s/nº – Centro – Rio de Janeiro/RJ
Data: dia 25/11 (sábado)
Horário: 9h às 14h
Informações: Tel.: 21 3238-3690 / institutotear.org.br
| Festa Literária de Paquetá promete ser mais um grande evento do calendário turístico da cidade |
foto da Ilha de Paquetá

Foto: divulgação

Nos últimos anos, diversas iniciativas vêm criando novas opções de lazer, entretenimento e cultura em Paquetá, além de festas tradicionais. São exibições de cinema, arte e cultura de rua, exposições, recitais, saraus e apresentações de música ao vivo, rodas de samba e de chorinho, MPB, jazz. Há bons restaurantes e casas que se dedicam à gastronomia. Faltava no calendário do bairro um evento dedicado à literatura. A Festa Literária de Paquetá / FLIPA 2017, que acontece entre os dias 18 e 20 de novembro, vem para preencher esta lacuna e colocar mais um evento no calendário da ilha.

A FLIPA terá atividades em diversos locais, clubes, restaurantes, bistrôs e casas. Serão cerca de 50 mesas de palestras, rodas de conversa e debates sobre a atualidade da literatura e do mercado editorial brasileiro. Um diferencial será o “Espaço dos Autores”, com inscrições abertas aos autores interessados, facilitando o acesso dos artistas independentes e iniciantes, no Paquetá Iate Clube (PIC), destinado ao lançamento coletivo de obras, exposição e venda de livros, sessões de autógrafos, além de oficinas, espetáculos teatrais e a apresentação do Selo Subúrbio Editorial (voltado para escritores de subúrbios e periferias e estudos sobre o assunto) e bate-papo com os autores.

A idealização da Festa é da Academia de Ciências Artes e Letras da Ilha de Paquetá (AACLIP) e do Instituto Cultural Casa Flor Paquetá, com curadoria de Cintia Barreto e Marcelo Ficher.

A homenageada desta edição será a poeta Elisa Lucinda, que estará na abertura do evento, no sábado, dia 18 de novembro, às 10h, no PIC. A escritora Bia Bedran receberá homenagem do Projeto Conversa Literária, um dos principais parceiros da primeira edição da Festa Literária.

O presidente da Academia Brasileira de Letras – ABL, Domício Proença Filho, encerra a programação na segunda-feira, dia 20, às 17h, no Quintal da Regina, onde descerra uma placa na Biblioteca Popular que funciona no local e leva o seu nome.

Em tempos de crise, os recursos para organizar a Festa vieram da contribuição dos parceiros locais envolvidos e da “Pulseirinha Mágica da FLIPA”, com custo de R$ 10 (válida para os 3 dias de evento), disponível através de venda online pelo Whatsapp (21) 96939-9387 e no comércio da ilha. Além de contribuir para a festa, os participantes da FLIPA com a pulseirinha terão direito a descontos nos locais de atividades e participam de sorteios de livros.

Colaboradores doaram livros para o evento, como a Secretaria de Estado de Cultura, que doou 200, e o Atelier Literário Katia Pinno, parceiro desde o início, que doou mais 100. As pulseirinhas também estarão disponíveis no stand receptivo da Flipa, na Praça Pedro Bruno, local de desembarque na ilha. Os autores participantes das atividades terão sua pulseirinha em cor diferente (verde), para facilitar a interação espontânea com o público.

A Festa Literária de Paquetá terá boa parte da programação dedicada à literatura infantil e infanto-juvenil, de olho no legado educativo para a promoção da leitura e da busca do conhecimento através da literatura. Haverá mesas específicas para pais e mães que querem entender de que maneira podem aproximar seus filhos dos livros, numa época em que o audiovisual domina a atenção das novas gerações, inclusive sobre a importância de se ler para os bebês. A Associação de Escritores e Ilustradores de Livros Infantis e Infanto-Juvenis (AEILIJ) apoia a FLIPA e trará autores para tratar do tema.

Já na abertura, a professora Bruna Letícia coordenará a participação de um grupo de alunos que organiza um Chá Literário na Escola Municipal Pedro Bruno. A Biblioteca Escolar Joaquim Manuel de Macedo também participa com uma Roda de Leitura sobre a obra do escritor Vivaldo Coaracy.

A Ilha de Paquetá é um lugar tranquilo, bucólico, com muitas praças e banquinhos ao longo da orla, com generosas sombras de suas árvores centenárias. A comissão organizadora vem estimulando manifestações artísticas espontâneas, com teatro de bonecos, contação de histórias e escritores expondo suas obras ao ar livre.

Clique em

Clique em “leia mais” ou em “View full article” e confira a programação completa da FLIPA. Mais informações estão disponíveis na página do evento no Facebook.

Festa Literária de Paquetá 2017 – FLIPA
Local: Ilha de Paquetá – Rio de Janeiro/RJ
Período: de 18 a 20/11/2017

Continue lendo

 | Evento acontece até domingo e reúne sarau, estandes de editoras, debates, show do Música Extemporânea Brasileira e jogos para crianças e jovens |
foto externa da Casa França-Brasil

Foto: reprodução Facebook Casa França-Brasil

17ª Primavera Literária Rio acontece entre os dias 26 e 29 de outubro, das 10h às 20h, na Casa França-Brasil, no Centro do Rio de Janeiro. A programação do evento reúne saraus, estandes de editoras, debates, show com Música Extemporânea Brasileira e jogos para crianças e jovens.

Promovida pela Liga Brasileira de Editoras (Libre), Primavera Literária Rio é considerado o maior evento das editoras independentes no estado do Rio de Janeiro, contribui para a movimentação da atividade econômica representada no mercado editorial e para a democratização da leitura e a discussão de políticas públicas no campo do livro e da leitura. Em 2017, o evento conta com parceria da Bibliomundi, plataforma de autopublicação e distribuição de e-books, e será recheado de programação cultural.

Uma gincana digital será uma das atrações para crianças e jovens que comparecerem à 17ª Primavera Literária Rio, de 26 a 29 de outubro, das 10h às 20h, na Casa França-Brasil, no Centro do Rio. Usando a ferramenta de educação gamificada Seppio, a plataforma Bibliomundi e a Liga Brasileira de Editoras (Libre) montaram dois jogos, um para os alunos do ensino fundamental e outro para o ensino médio. Os participantes que alcançarem a pontuação máxima de 250 pontos concorrerão ao sorteio de um tablet. O objetivo da ação é incentivar o hábito da leitura.

Os estudantes já podem começar a jogar para acumular pontos antes mesmo do início da Primavera Literária. A gincana é composta por vários desafios, que valem 10 pontos cada. Os alunos do ensino médio serão desafiados, por exemplo, a gravar stories (recurso do Instagram para compartilhamento de vídeos e fotos) lendo uma estrofe do poema ‘Navio Negreiro’, de Castro Alves, à frente do Cais do Valongo, e lendo o poema ‘Mar Português’, de Fernando Pessoa, no terraço do Museu de Arte do Rio (MAR).

Para os estudantes do ensino fundamental, há desafios como gravar um vídeo de uma entrevista com uma professora sobre o livro favorito dela na infância e fazer o desenho de uma jiboia que comeu o elefante do Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry.

Os participantes devem registrar o cumprimento do desafio na plataforma Seppio e no Instagram com a hashtag #primaveraliteraria para validar a contagem dos pontos. Para participar, os alunos deverão: 1 – acessar a página https://play.seppo.io/?l=en; 2 – Clicar em “login as player”; 3 – digitar os códigos: 30E5AF (para Ensino Médio) e 272078 (para Ensino Fundamental); 4 – Preencher nome e e-mail; 5 – Agora é só jogar. A Árvore de Livros colabora com a divulgação dos jogos nas escolas.

Degustação de e-books 

Pelo aplicativo de leitura da Bibliomundi, os visitantes da Casa França-Brasil, durante a Primavera Literária, poderão baixar gratuitamente trechos de livros das editoras participantes.  Para fazer os downloads, os leitores terão de baixar o aplicativo de leitura Bibliomundi e fornecer um e-mail. “O acesso será feito a partir da distribuição de rede no local e o intuito é proporcionar leitura digital para os visitantes da feira e proximidades”, diz Raphael Secchin, sócio-fundador da Bibliomundi.

Mesas:

O sambista Martinho da Vila será atração da mesa “Martinho da Vila conversa sobre o Rio de Janeiro, crônicas e música” (quinta-feira, 26/10, às 18h), onde falará sobre sua veia literária.

Abordagens sobre o recrudescimento das muitas formas de intolerância em todo o Brasil também serão tematizadas durante a programação cultural. Destaques para as mesas “O Rio e o Rio que queremos”, uma reflexão sobre o momento atual da cidade (sábado, 28/10, às 11h); a ascensão do conservadorismo em “O conservadorismo e o retrocesso nos dias de hoje” (Domingo, 29/10, às 16h) e “A crise política e o poder no Brasil” (Sábado, 28/10, às 16h).

Também estão programadas mesas que debaterão temas estratégicos do mercado editorial, como “Edição e autopublicação” (sexta-feira, 27/10, às 16h). A mesa “Posto, logo existo: literatura em tempos de redes sociais” (domingo, 29/10, às 18h), analisará a interface entre as tecnologias analógicas e digitais.

Com o intuito de pensar o papel da gastronomia da teoria à prática, o evento promoverá a mesa “Toda comida tem uma história” (sábado, 28/10, às 18h). *A gastronomia terá outro ponto alto na instalação de um espaço gourmet no pátio externo da Casa França-Brasil, destinado ao atendimento do público, com sabores requintados, próximo ao monumento a Grandjean de Montigny.

A poesia musicada será contemplada por meio da mesa “Poesia e Música: as experiências de três poetas na música brasileira” (sábado, 28/10, 14h), onde o percurso dos versos literários para as letras de canções de Bruno Levinson, Mauro Santa Cecília e Rinaldi, três letristas consagrados na MPB, contarão as interações entre as muitas formas de expressão artística contidas nessa relação criativa.

O conjunto MEB (Música Extemporânea Brasileira) apresentará seu show “Boca do Mundo” (sexta, 27/10, 18h), onde são musicados poemas de autores como Fernando Pessoa, Paulo Leminski e Torquato Neto. O MEB é formado por Ticiana Passos (voz), Eduardo Lyra (percussão), Flávio Luiz (contrabaixo) e Zé Luiz Rinaldi (criação e composição).

As crianças também serão contempladas com uma programação específica oferecida pelo Clube de Leitura Quindim (em sua estreia na Primavera Literária), clube de assinaturas de livros infantis que mantém, entre os selecionadores de suas obras conveniadas, personalidades como Ziraldo, Adriana Calcanhotto e Marina Colasanti. O Espaço Infantil Clube Quindim terá uma programação rica em espetáculos, oficinas e contação de histórias.

Primavera Literária Rio 2017
Local: Casa França-Brasil – Rua Visconde de Itaboraí, 78 – Centro, Rio de Janeiro – RJ
Período: de 26 a 29/10
Horário: das 10h às 20h – *não há previsão de fornecimento de comidas e bebidas gratuitamente no espaço gourmet no pátio externo da Casa França-Brasil.

| Bate-papo comandado por Christovam de Chevalier, poeta e colunista do jornal O Globo, acontece nesta quarta-feira |
Nélida Piñon é a convidada da 13º edição do Encontro com Territórios, na Biblioteca Estação Leitura

Foto: divulgação

A imortal Nélida Piñon é a convidada da 13º edição do Encontro com Territórios, na Biblioteca Estação Leitura, localizada na estação Central do MetrôRio. O encontro será realizado no dia 11 de outubro, às 19h30, e terá como tema o “Livro das Horas”, da editora Record, obra que se aproxima de uma autobiografia ao reunir algumas memórias da escritora.  

O bate-papo será comandado pelo poeta e colunista do jornal O Globo Christovam de Chevalier. Em seguida a escritora vai autografar *80 exemplares, que serão distribuídos gratuitamente aos participantes do encontro e leitores da biblioteca. Na galeria Arte e Literatura, anexa à biblioteca, os visitantes poderão visitar a exposição que será inaugurada, “Nélida Piñon a imaginação, a emoção e a palavra”, composta por fragmentos literários do “Livro das Horas” e 12 imagens de um ensaio fotográfico realizado em Holambra, conhecida como a Cidade das Flores. As fotografias são da diretora executiva do projeto, Cristina Oldemburg.  

“Sempre quis homenagear esta mulher incrível com um projeto de imagens que refletisse a admiração que sinto por ela.”, afirma Cristina Oldemburg, acrescentando que, além de visitar a exposição, após o bate-papo o público poderá levar o livro autografado por Nélida Piñon. “A missão da nossa biblioteca  é promover a leitura através de vivências artísticas que aproximem o leitor da obra literária, estimular o pertencimento do livro,  formar novos leitores, formar plateia para debate e criar pensamento crítico sobre questões que fazem parte do nosso cotidiano. O sentimento do pertencimento do objeto livro é fantástico, pois a grande maioria dos leitores da Biblioteca Estação Leitura não tem recurso para comprar uma obra literária. Eles esperam ansiosos pelo evento”, conta, destacando que os participantes também contarão com o acervo disponível para empréstimo.

O Livro de Horas foi uma obra de devoção criada por devotos no final da Idade Média. Em geral, continha o calendário das festas e dos santos, as Horas da Virgem, da Cruz, do Espírito Santo e dos mortos (Liturgia das Horas), as orações comuns e os salmos penitenciais. Em seu “Livro das Horas”, Nélida Piñon faz uma narrativa comovente e sensível, revivendo memórias afetivas que emergem a partir de um vertiginoso turbilhão de lembranças e emoções. E a cada página lida fica claro ao leitor que independente de sua vivência ou da riqueza de suas lembranças, sua história de amor sempre foi uma só: com a palavra. 

A biblioteca Estação Leitura completou três anos de funcionamento em fevereiro de 2017, com atendimento diário ao público e resultados significativos. De fevereiro de 2014 a março de 2017, foram catalogados 3.977 livros, cadastrados 5.060 leitores, emprestados 24.699 livros e realizadas 8.293 renovações em mais de 72 mil atendimentos, além de 103 eventos literários. A Estação Leitura é uma biblioteca popular, localizada na estação Central do MetrôRio, sendo a estação mais movimentada do sistema, que tem integração com a rede ferroviária da cidade, sendo assim, o projeto atende a um público variado, moradores do Rio de Janeiro e municípios vizinhos, tais como Duque de Caxias, Belford Roxo, Queimados, Nova Iguaçu, Nilópolis. A faixa etária de leitores é entre 18 e 90 anos (e ainda pais que pegam livros infantis/juvenis para seus filhos), homens e mulheres com as mais diversas atividades profissionais: diaristas, aposentados, vendedores, jornalistas, fisioterapeutas, estudantes, professores, médicos, escritores, entre outros. 

Nélida Piñon nasceu em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e escolheu que seria escritora ainda criança, quando começou a vender suas pequenas histórias ao pai e familiares. Formada em jornalismo, ela tem em sua bibliografia mais de 20 livros, englobando romances, contos, ensaios, discursos, crônicas e memórias. Suas obras já foram traduzidas em 30 países. No ano de 1996 foi a primeira mulher a ocupar a presidência de uma Academia de Letras em todo o mundo. Foi também pioneira ao receber o título Doutor Honoris Causa da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, em 1998. Até então, nenhuma mulher havia recebido o título. 

A Estação Leitura incentiva a cultura através do acesso gratuito a livros, aos talks shows e às atividades literárias. Tem o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e do MetrôRio, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, conta com apoio do Instituto Invepar e a realização da Oldemburg Marketing Cultural. O atendimento é gratuito ao público e realizado de terça a sexta, com os serviços de cadastro, devolução e empréstimo de livros por até sete dias. Dispõe de catálogo digital de todo o acervo na página oficial do projeto (Facebook – www.facebook.com/estacaoleiturametrocentral) e catálogo de consulta por título, autor e assunto/gênero, na própria biblioteca.  

 

Encontro com Territórios: “O Livro das Horas”
Local: Biblioteca Estação Leitura, na Estação Central do MetrôRio – Rio de Janeiro/RJ
Data: dia 11/10
Horário: 19h30

*Para recebimento do livro, serão distribuídas 60 senhas, que devem ser retiradas duas semanas antes do evento, na biblioteca Estação Leitura, localizada na estação Central do MetrôRio. No dia do evento, apresente-a no mesmo local e receba seu livro para participar da sessão de autógrafos.
| Com alguns eventos gratuitos, programação terá  teatro, lançamento de livro, oficinas literárias, cinema, música e gastronomia |
foto do elenco da peça Professor Rococó

Foto: divulgação

O Centro Universitário Celso Lisboa, no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio, oferece, em setembro, uma extensa programação cultural para a comunidade, com apresentações teatrais, lançamento de livro, oficinas literárias, cinema, música e gastronomia. Alguns eventos têm entrada gratuita*. Confira!

Para dar início às atividades, estreia no dia 01 de setembro a peça “Professor Rococó”, com montagem de Regis de Sóri. A trama acontece durante uma aula de História do Brasil, onde Rococó, um professor aposentado, corteja sua aluna, Espoleta, em meio a um passeio pelo Período Colonial Brasileiro. As investidas são atrapalhadas pela mãe de Espoleta, a viúva Castorina, que sente uma forte paixão pelo Professor Rococó e deseja a qualquer custo um novo marido. No decorrer do espetáculo, são pontuados os gêneros musicais, danças da cultura brasileira, o futebol e o café. O texto e a direção são de Régis de Sóri. No elenco, Felipe Taborda, Regina Marçal e Luana Lopes.

O espetáculo acontece nos dias 01, 15, 22 e 29 de setembro, sempre às 20h. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e podem ser adquiridos na tesouraria do Centro Universitário Celso Lisboa.
Universo Perfeito de Imperfeições

A pedagoga e professora Bianca Glaciano irá lançar, às 18h30, no dia 04 de setembro, o livro ‘Universo Perfeito de Imperfeições’. O livro expõe o seu grito de desespero sobre a solidão, da necessidade de perfeição e da angústia de querer se encaixar e de ser aceita. Após muitas lutas contra o câncer, Bianca encontrou forças, portas e oportunidades no papel para sua cura e, assim, nasceu esse suspiro.

No dia do lançamento, o público contará também com uma oficina, na qual os participantes poderão se expressar individualmente e em conjunto por meio de vários exercícios poéticos. O lançamento, junto com a oficina, também acontecerá no dia 11 de setembro, no campus Centro, no mesmo horário.

Situação carcerária feminina em debate
Para fechar o mês, nos dias 28 e 29 de setembro acontece a 4ª edição do evento Cultura & Bate-papo, que colocará em discussão a situação da vida das mulheres que são tratadas como seres não humanos nas penitenciárias femininas do Brasil. Superlotação e alimentação vencida se tornam problemas menores quando mulheres grávidas são submetidas a torturantes interrogatórios, falta de atendimento médico antes/durante o parto e quando o tratamento higiênico é o mesmo das penitenciárias masculinas.

Esses e outros temas serão abordados através de documentários, palestras com pesquisadores e defensores do tema, além de uma roda de conversa que propõe um olhar crítico sobre capacidade funcional do sistema carcerário brasileiro.

Serviços:

“Professor Rococó”
Datas: 01, 15, 22 e 29 de setembro, às 20h
Duração: 70 minutos
Gênero: Comédia
Faixa etária: 16 anos
Local: Centro Universitário Celso Lisboa – Auditório Martins Filho (3º andar do Bloco A)
Endereço: Rua Vinte e Quatro de Maio, 797 Engenho Novo – Rio de Janeiro
Inteira: R$20,00
Meia: R$10,00
Ficha Técnica:
Texto e direção: Régis de Sóri
Elenco: Felipe Taborda, Regina Marçal e Luana Lopes.
Cenário e figurino: Grupo Tanamão
Iluminação: Eduardo Basser
Sonoplastia: Coletivo
Produção executiva: Regina Marçal

“Universo Perfeito de Imperfeições”
Datas: 04 e 11 de setembro
*Evento gratuito – Sem necessidade de inscrição
Horário: 18:30, nos dois dias
Locais: Dia 4: Salão Nobre do Centro Universitário Celso Lisboa – Unidade Engenho Novo, localizado no 2º andar do Bloco A. Endereço: Rua Vinte e Quatro de Maio, 797 – Engenho Novo.
Dia 11: Biblioteca do Centro Universitário Celso Lisboa – Unidade Centro, localizado no 2º andar. Endereço: Rua Sete de Setembro, 66 – Centro.

Cultura & Bate-papo: situação carcerária feminina em debate
Datas: 28 e 29 de setembro, a partir das 13h
*Evento gratuito – Sem necessidade de inscrição
Local: Teatro  do CCJF – Centro Cultural da Justiça Federal (Av. Rio Branco, 241 – Centro)
Inscrições pelo site da Celso Lisboa + 1 pacote de absorvente

Programação:
Dia 28/09, quinta-feira
13h – Doc. “Se eu não tivesse amor”. Mesa de debate com Geysa Chaves (Diretora do documentário), Joyce Louback (Cientista Social), Odete Firmino (Linguista) e Vê Barbosa (Atriz e Psicóloga).
15h30 – Intervalo Musical com o Coral Canta Celso, nas Escadarias do Centro Cultural.
16h – Palestra sobre o projeto “Chegando Junto – O método de Design Thinking na melhoria da qualidade de vida na penitenciária feminina “Talavera Bruce” com Carla Albuquerque e Suzana Amora.
18h – Encerramento

Dia 29/09, sexta-feira
13h – Palestra “Contando e Recontando Histórias” com Márcia Badaró, psicóloga que trabalhou por 30 anos na Secretaria de
Administração Penitenciária do Rio de Janeiro. Haverá venda de livros da psicóloga e autora no local.
15h – Intervalo Musical
15h30 – Palestra “Meninas em Privação de Liberdade” com o Grupo “Elas Existem”, formado por mulheres que lutam para dar a voz aos problemas vividos pelo universo feminino nas cadeias do país.
17h30 – Intervalo
18h – Roda de Conversa “A Capacidade Funcional do Sistema Carcerário Brasileiro – Uma crítica de vários lados” com a presença dos advogados Vanessa Lacerda e Ramon, da psicóloga jurídica Neilza Alves.
20h – Encerramento Gastronômico

| Cada encontro terá um artista convidado que fará sua interpretação do texto |
foto da fachada da Baukurs Botafogo

Foto: reprodução site Baukurs

O curso de alemão Baukurs promove, até novembro, o Ciclo de Leituras Baukurs. O objetivo é apresentar textos da literatura e do teatro de diversas épocas e nacionalidades, muitas vezes pouco conhecidos, principalmente pelas novas gerações.  Cada encontro, que começará às 18h30, terá um artista convidado que fará sua interpretação do texto. Ao final o público poderá debater com os atores sobre os temas apresentados. O Baukurs fica na Rua Goethe , n° 15, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A curadoria programou para os próximos meses obras importantes da literatura dramática do pré-romantismo alemão e do romantismo brasileiro.

Programação:

28 de agosto – Texto: Stella (1774) Autor: Johann Wolfgang von Goethe
Elenco: Cristina Pereira, Elisa Barbato, Renato Reston, Luciana Palhares, Pedro Mussi, João Santucci, Patricia Bello, Gabriel Flores e Luis Fernando Medeiros
Direção: Antonio Gilberto

4 setembro – Texto: Antonio José ou O Poeta e a Inquisição (1838, considerada a primeira obra teatral romântica brasileira) Autor: Gonçalves de Magalhães –
Direção: João Santucci

18 setembro – Texto: Tempestade e Ímpeto (1776, peça teatral que deu origem ao título do movimento pré-romântico alemão – Sturm und Drang) Autor: Friedrich Maximilian Klinger –
Direção: Pedro Osório

9 outubro – Texto: Leonor de Mendonça (1847) Autor: Gonçalves Dias
Direção: Antonio Gilberto
23 de outubro – Texto: O Preceptor ou Vantagens da Educação Particular Autor: Jakob Michael Reinhold Lenz –
Direção: Ester Jablonski

13 de novembro – Texto: Macário (1850) Autor: Álvaro de Azevedo –
Direção: Gilberto Gawronski
27 de novembro – Os Bandoleiros (1777, inicia a escrever, publica em 1781) Autor: Friedrich Schiller –
Direção: Ricardo Kosovski

Ciclo de Leitura Baukurs
Local: Baukurs – Rua Goethe, n°15 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ – Tels.: (21) 2294 6017 –
Horário: 18h30
Distribuição de senhas: 30 minutos antes do início da leitura
Classificação: não recomendado para menores de 12 anos
Direção geral: Thea Schünemann Miranda
Curadoria e Coordenação: Antonio Gilberto

| “Botafogo Vivo” é a primeira iniciativa da Rede Botafogo de Cultura Solidária |
foto externa da Biblioteca Popular de Botafogo

Foto: reprodução internet

Neste sábado, dia 26 de agosto, das 10h às 17h, a Praça Chaim Weizmann e a Biblioteca Popular Municipal de Botafogo Machado de Assis receberão diversas atividades para público de todas as idades. Música, cinema, teatro, literatura, dança, oficinas para crianças, coral formado por moradores de rua, contação de histórias e compartilhamento de ideias sobre projetos culturais e inovação cidadã estão entre as atrações do evento “Botafogo Vivo”. 

A iniciativa é da recém-criada Rede Botafogo de Cultura Solidária, que reúne profissionais de diversas áreas, compartilhando expertises e experiências. A proposta do grupo é formar uma rede comunitária colaborativa envolvendo produtores e empresas ligadas aos setores cultural, social, ambiental e educacional que atuem no bairro da Zona Sul carioca. A ideia de produzir eventos para ocupar os espaços públicos surgiu da necessidade de levar para a rua tudo o que se produz no bairro, não se intimidando com a falta de segurança e a violência.

O evento do próximo sábado será a primeira edição da série “Botafogo Vivo”, que pretende seguir itinerante pelas praças do bairro, produzindo, divulgando, compartilhando arte, criatividade e cultura, integrando moradores, frequentadores, artistas e produtores da região. Haverá uma “árvore do agasalho” para receber doações de roupas de frio e cobertores, que estarão disponíveis para quem quiser pegar.

 

Programação:

– Na Praça Chaim Weizmann

10h – Atividades infantis: oficina de arte e leitura do livro “Botafogo para crianças”, feita pela historiadora Kaori Kodama, autora em parceria com o ilustrador Guto Lins, que conta a história do bairro de uma forma lúdica e divertida
10h30 – Roda de Capoeira de Angola – Mestre Ferradura
11h – Apresentação de dança contemporânea da Escola e Faculdade de Dança Angel Vianna
12h – Livros na Praça – distribuição de livros feita pela Biblioteca Machado de Assis. Qualquer pessoa pode escolher um livro e levar. É de graça
12h – Coral Uma Só Voz, formado por moradores de rua
13h – Apresentação do grupo de choro Criançada Reunida
13h30 – Ciranda de Música e Poesia com o grupo do Teatro do Mar
13h50 – Apresentação de uma cena teatral lúdica com o grupo do Teatro do Mar
14h – Grupo Oficina Roda de samba com a cantora Christina Paz
15h – Show de MPB com a Banda Atitude, da comunidade Santa Marta
16h – Show da cantora Luíza Breves

– No auditório da Biblioteca Machado de Assis (Rua Farani, n° 53)

10h – Abertura com apresentação da Rede Botafogo de Cultura Solidária com o jornalista Mário Margutti
10h15 – Roda de conversa “Inovação Cidadã”, comandada pela professora Ivana Bentes, da Escola de Comunicação da UFRJ
10h40 – Antonio Breves fala sobre a proposta do Espaço Cultural Olho da Rua
11h – Palestra do jornalista Mário Margutti sobre “Projetos Culturais”
13h – Apresentação de projetos da Universidade Santa Úrsula, como a adoção da Praça Chaim Weizmann e as atividades ambientais e sustentáveis no Morro Azul
14h – Pré-estreia do filme “Sigilo eterno”, do cineasta Noilton Nunes, seguida de debate com o diretor e elenco

“Botafogo Vivo”
Local: Praça Chaim Weizmann (final da Rua Farani) e Biblioteca Pública Machado de Assis ( Rua Farani, n° 53 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ
Data: dia 26/08
Horário: das 10h às 17h, conforme programação

Jornalista conversará com clientes da concessionária sobre seu livro ‘”História do futuro: O horizonte do Brasil no século XXI” |
foto da jornalista Miriam Leitão

Foto: reprodução internet

Dentro das composições do metrô é fácil identificar pessoas com hábito de leitura. Pensando em estimular esse pensamento crítico e cultural, nesta quarta-feira (16/08), às 19h30, a jornalista Miriam Leitão estará na estação Central do MetrôRio para temas presentes no seu livro “História do futuro: O horizonte do Brasil no século XXI”, da editora Intrínseca. Diversos acontecimentos ocorridos no país são narrados pela autora, com base em quatro anos de entrevistas, viagens, análises de dados e depoimentos de especialistas. Além do bate-papo mediado pelo jornalista e poeta Claufe Rodrigues, 60 exemplares de “História do futuro” serão doados à biblioteca.

Em funcionamento desde 2014, a Biblioteca Estação Leitura fica localizada na estação Central do MetrôRio e conta com um acervo de 3.900 exemplares. A base de cadastro da Biblioteca registra 5.060 leitores, dos mais variados perfis, que já pegaram emprestados mais de 24,6 mil livros, além de ter promovido 103 eventos literários. O projeto conta com o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura e do MetrôRio, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, conta com apoio do Instituto Invepar e realização da Oldemburg Marketing Cultural.

Sobre a autora convidada:
Miriam Leitão é de Caratinga (MG). Tem quatro livros de não ficção, um de ficção e quatro infantis. Desses, o Saga foi premiado com o Jabuti de Livro do Ano, o Tempos Extremos foi finalista do Prêmio São Paulo, e o Passarinho ganhou o Prêmio Revelação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). É jornalista de TV, rádio, jornal e mídia digital. Em quarenta anos de profissão, recebeu diversos prêmios, entre eles o Maria Moors Cabot, da Universidade Columbia, de Nova York.

 

Debate do livro “História do Futuro: o horizonte do Brasil no século XXI” com autora Miriam Leitão.
Local: Biblioteca Estação Leitura, na Estação Central do MetrôRio
Data: dia 16/08 (quarta-feira)
Horário: 19h30

| No dia 10/07, autor do livro “Dormi em Paris, acordei na França”, apresenta o destino de sua viagem mais recente, a região de Lorraine, passando pelas cidades de Nancy e Metz |
Foto da Torre Eiffel

Foto: reprodução internet

A BiblioMaison oferece a atividade “Détours en France“, que acontecerá às segundas-feiras do mês de julho, entre 17h30 e 19h. O evento apresenta uma região da França e um percurso turístico da região. No dia 10, Luiz Fernando Teixeira de Macedo, autor do livro “Dormi em Paris, acordei na França”, apresentará o destino de sua viagem mais recente, a região de Lorraine, passando pelas cidades de Nancy e Metz.

O encontro ocorrerá em português.  A classificação é livre.

Détours en France
Local: BiblioMaison do Consulado Geral da França no Rio de Janeiro – Avenida Presidente Antônio Carlos, n° 58 – Rio de Janeiro/RJ – Tel.: (21) 3974 6699
Período: segundas-feiras de julho
Horário: entre 17h30 e 19h

 

 

 

| “Por onde andou Clarice Lispector?” faz parte da programação “A hora de Clarice”, homenagem anual à escritora | 
Foto: Marcos de Paula / divulgação

Foto: Marcos de Paula / divulgação

Para lembrar a escritora, que completaria 95 anos no dia 10 de dezembro, o Espaço  Sesc apresenta ao público “Por onde andou Clarice Lispector?”, encontro com leitura dramatizada e debate com especialistas, no dia 8 de dezembro (terça-feira), às 19h, no Espaço Sesc, em Copacabana. O encontro abre o evento “A hora de Clarice”, que tem uma semana inteira de homenagens no Rio de Janeiro. Em sua quarta edição, o projeto se inspira no aniversário de 450 anos da cidade e na biografia da escritora, intimamente ligada á paisagem carioca, descrita em muitas de suas criações.

A leitura dramatizada será dividida nos temas “A cidade como cicatriz”, “A cidade como encantamento”, “A cidade como memória” e “A cidade como espanto”. O espectador terá a oportunidade de passear pelo mundo por meio do olhar da escritora, com emoção, espanto e sarcasmo – casada com um diplomata, Clarice Lispector conheceu muitas cidades da Europa e dos estados Unidos, vivendo em algumas delas. Leitores de Clarice logo se lembrarão dos textos “Brasília” e “Manifesto da cidade”, sobre Recife. Se no primeiro a crítica profunda ao projeto de Niemeyer causa um abalo, no outro a memória da infância e adolescência passadas no Nordeste é tocante.

Já a conversa sobre estas paisagens, sobretudo urbanas, trazidas pela escritora fica a cargo de dois especialistas: Roberto Corrêa dos Santos, que leciona Estética e Teoria da Arte na UERJ e foi professor de Teoria da Literatura na UFRJ; e Renato Cordeiro Gomes, dos departamentos de Comunicação Social e de Letras da PUC-Rio, professor especializado no tema literatura e cidade.

Filha de imigrantes que peregrinaram pelo Brasil a partir do Nordeste, Clarice escolheu o Rio de Janeiro como a cidade para viver e construir seus maiores laços de amizade. Esta história será contada através de uma seleção de textos organizada pela professora Clarisse Fukelman, da PUC-Rio, curadora do projeto e pesquisadora da obra da escritora. Contos, crônicas e frases de muita força e encantamento, pela síntese e capacidade de percepção de Lispector serão lidos pelas atrizes Clarice Niskier e Ester Jablonski, acompanhadas pelo ator Pedro Paulo Rangel, dirigidos por Ana Kfouri.

 

“Por onde andou Clarice Lispector?” – leituras dramatizadas e palestras
Leituras com Clarice Niskier, Ester Jablonski, Pedro Paulo Rangel, sob direção de Ana Kfouri
Palestrantes: professores Roberto Correa dos Santos e Renato Cordeiro Gomes 8/12/2015 (terça-feira), às 19h
Local: Espaço Sesc: Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana. Tel.: 21 2547-0156
Classificação: livre
Realização: Sesc

| Poesia popular será pauta do Mar de Culturas do dia 15 de janeiro, quinta-feira |
Foto de Pedro Bial

Foto: Paulo Belote / Divulgação

A primeira edição de 2015 do Mar de Culturas  ̶̶  projeto que abre espaço para temas relacionados ao cotidiano do Rio e do Grande Rio  ̶̶  mergulha na literatura com o tema “A poesia popular: verso ou reverso?”. Os convidados Pedro Bial e Aderaldo Luciano discutem o assunto na quinta-feira, dia 15 de janeiro, no Quiosque da Globo, em Copacabana.

Jornalista, apresentador de TV, escritor e cineasta, Pedro Bial vai debater a difusão da poesia e a valorização da literatura popular com o músico e poeta Aderaldo Luciano, também pesquisador da literatura de cordel e de manifestações poéticas populares do Brasil, e autor do livro Apontamentos para uma história crítica do Cordel brasileiro.

Foto de Aderaldo Luciano

Foto: Rosa Luiza / Divulgação

Desde sua estreia, o Mar de Culturas já recebeu o escritor e morador da favela de Antares, Jessé Andarilho e a atriz, cantora, compositora e psicanalista Numa Ciro, conversando sobre o tema “Literatura em Trânsito”. Também já participaram do evento, o escritor e produtor Binho Cultura e o pesquisador Écio, discutindo a literatura nas periferias, além do ator, diretor e escritor Marcus Faustini e a pesquisadora e escritora Heloisa Buarque de Hollanda, que bateram um papo sobre o tema “Periferia é Centro? A reorganização geográfica da cidade”.

Mar de Culturas
Data: 15 de janeiro (quinta-feira)
Local: Quiosque da Globo – Praia de Copacabana (altura da Rua Miguel Lemos)
Horário: 19h às 20h
Convidados: Pedro Bial e Aderaldo Luciano

%d blogueiros gostam disto: