Tag Archive: ópera


| Ópera-balé é uma adaptação feita pelo diretor inglês Peter Brook e pelo compositor Marius Constant |
foto externa do Theatro Municipal

Foto: Vânia Laranjeira/Reprodução

Da série “não é de graça, mas é quase”:

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta uma versão inédita da célebre ópera “Carmen, de Bizet, no dia 13 de agosto, às 11h30, com ingressos a R$ 1.  “La Tragédie de Carmen ” é uma adaptação feita pelo diretor inglês Peter Brook e pelo compositor Marius Constant. Ao mesmo tempo em que traz todas as melodias e cenas mais famosas e amadas de “Carmen”— a Seguidilha, a Canção do Toreador ou a Aria da Flor, por exemplo — “La Tragédie de Carmen” concentra a ação nos quatro protagonistas em um poderoso espetáculo de pouco mais de uma hora, que estreia no dia 9 deste mês e ficará em cartaz até o dia 19 de agosto. A classificação é livre.

A nova edição do Domingo a R$1 é uma promoção especial para o público. Os ingressos para a série estão disponíveis somente na bilheteria do Theatro. Fora da série Domingo a R$1, os ingressos custam entre R$ 20 e R$ 300 para apresentações nos dias 9, 10, 12, 17 e 18 de agosto.

La Tragédie de Carmen”, que faz sua estreia profissional brasileira no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, terá direção de Juliana Santos e Menelick Carvalho, uma orquestra de solistas da Orquestra Sinfônica do TMRJ, regida por Priscila Bomfim e Jésus Figueiredo, acompanha os 4 cantores principais (em 3 elencos), bailarinos do Corpo de baile do TMRJ e jovens talentos da Escola de Dança Maria Olenewa, coreografados por Marcelo Misalidis.

Nos três elencos nacionais, reconhecidos cantores como Carolina Faria, Eric Herrero e Leonardo Neiva, Daniel Germano, Matheus Pompeu e Frederico Oliveira; destacados solistas do coro do TMRJ, como Flavia Fernandes, Ivan Jorgensen, Lara Cavalcanti e Gisele Diniz; e jovens talentos da Academia de Ópera Bidu Sayão, como Cintia Graton e Tatiana Nogueira . É precisamente nesta original junção de canto e dança, num espetáculo de ópera e balé, de vídeo e imagens fortes, que a magia e o drama da obra original aparecerão com uma força renovada no palco do Municipal.

Segundo matéria publicada no site da Agência Brasil, toda a renda das apresentações será revertida para o pagamento de salários atrasados dos funcionários do Theatro Municipal.

La Tragédie de Carmen
Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro – Praça Floriano, s/nº – Cinelândia – Rio de Janeiro/RJ
Data: dia 13/08 (domingo)
Horário: 11h30
Ingressos: R$ 1
Atenção! Os ingressos para a série Domingo no Municipal estão disponíveis somente na bilheteria do Theatro. É proibida a entrada no Theatro usando bermuda e/ou chinelos nos dias de espetáculos. A classificação é livre.

Fonte: site Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Foto do Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Foto: Vânia Laranjeira/Reprodução

Confira as apresentações programadas para o mês de abril:

O concerto de lançamento da 4ª edição do Concurso Internacional BNDES de Piano terá, pela primeira vez no Brasil, apresentação da pianista russa Yulianna Avdeeva. A artista recebeu o primeiro prêmio no Concurso Chopin de Varsóvia em 2010, com o júri presidido por Martha Argerich, até então a única mulher que havia vencido o prestigiado concurso.

O evento terá, também, apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira sob regência de Fabio Mechetti. No programa, Villa-Lobos (Bachiana nº 9); Mozart (Concerto para piano e orquestra K.467); Chopin (Concerto nº 1 para piano e orquestra). Mais informações sobre o concurso estão disponíveis em www.concursopianorio.com ou pelo e-mal cip.rio@br.inter.net. A entrada é gratuita e a distribuição de ingressos acontecerá  no dia do concerto, a partir das 15h, na bilheteria do teatro.

Concerto de lançamento do IV Concurso Internacional BNDES de Piano
Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro – Praça Floriano, s/nº -Centro – Rio de Janeiro – RJ
Tels.: (21) 2332-9191 / 2332-9134
Data: Dia 05/04, às 17h

———————————————————————

Da sessão não é de graça, mas é quase:

O projeto Domingo no Municipal, que promove espetáculos com ingressos a R$1,00, está de volta e traz os solistas do coro do Theatro Municipal em apresentação que terá trechos da ópera Elixir do Amor, composta por Gaetano Donizetti, cantados por quatro solistas acompanhados por piano, com figurinos, maquiagem, iluminação, canto e cena.

 “Por meio de melodias maravilhosas, ela conta a história do tímido Nemorino, um agricultor apaixonado pela bela proprietária Adina, que não lhe dá atenção. O fanfarrão sargento Belcore consegue atrair as atenções de Adina, para desespero de Nemorino. Chega à aldeia um falso médico, o Dr. Dulcamara, vendendo um prodigioso elixir (vinho barato) que cura todos os males, físicos e amorosos, além de matar baratas. Nemorino compra um frasco para que Adina o ame, mas ele não faz efeito. Para ter dinheiro para um segundo, se engaja na companhia de Belcore. Dulcamara conta o fato para a bela, que enternecida compra a patente de soldado e a devolve a Nemorino. Este percebe a situação conseguindo que Adina confesse que o ama. Grande festa em homenagem ao poderoso Elixir.”

Projeto Domingo no Municipal – Ópera O Elixir do Amor – Solistas do Coro do Theatro Municipal
Local: Theatro Municipal – Praça Floriano, s/nº -Centro – Rio de Janeiro – RJ – Tels.: (21) 2332-9191 / 2332-9134
Data: Dia 06/04, às 11h
Classificação etária: livre
Duração: 60 minutos
Ingressos: Preço único – R$ 1,00 – Vendas no dia do espetáculo a partir das 10h, na entrada principal do Theatro – Capacidade: 2.244 lugares

No dia 27,  o Domingo no Municipal terá apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileia – OSB, com o “Concertos da Juventude I “. O programa “Sons da Liberdade” traz JOHANN SEBASTIAN BACH (Jesus, Alegria dos Homens); DORIVAL CAYMMI (Suíte dos pescadores – Arr. Pablo Panaro); SILAS DE OLIVEIRA (Aquarela Brasileira); FRANCISCO M. SILVA / OSÓRIO D. ESTRADA (Hino Nacional Brasileiro); ANTÔNIO CARLOS GOMES (Alvorada, da ópera Lo Schiavo); OMAR FONTANA (Tumucumaque, da suíte Transbrasil); HEITOR VILLA-LOBOS (Uirapurú, A133); CÉSAR GUERRA-PEIXE (Museu da Inconfidência – Impressões de uma visitação em 1966), com Regência de Wagner Polistchuk, e Coro de Crianças da OSB sob regência de Julio Moretzsohn.

Projeto Domingo no Municipal – Orquestra Sinfônica Brasileia – OSB, Concertos da Juventude I 
Local: Theatro Municipal – Praça Floriano, s/nº -Centro – Rio de Janeiro – RJ – Tels.: (21) 2332-9191 / 2332-9134
Data: Dia 27/04, às 11h
Ingressos: Preço único – R$ 1,00 – Vendas no dia do espetáculo, a partir das 10h, na entrada principal do Theatro

———————————————————————

Da sessão não é de graça, mas é quase:

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro promove o projeto “Ópera do Meio-Dia“. O objetivo é divulgar a ópera, oferecer arte durante a pausa para descanso – no horário do almoço – a quem trabalha no centro da cidade, além de dar oportunidade aos integrantes do Coro do Municipal de se apresentarem, em solo, ao público. Os espetáculos, com direito a figurinos, maquiagem, iluminação, canto e cena e acompanhamento de piano, são apresentados no Foyer do teatro e tem duração de uma hora, com trechos de óperas ou obras completas que durem 60 minutos.

No mês de abril, haverá apresentações da  ópera O Elixir do Amor .

Ópera do Meio-Dia – O Elixir do Amor – Solistas do Coro do Theatro Municipal
Local: Foyer do Theatro Municipal – Capacidade: 100 lugares não marcados
Datas: 09, 16 e 30/04, às 12h
Classificação etária: livre
Ingressos: Preço único – R$ 5,00

———————————————————————

Obs.: “Não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camisa sem manga e chinelos.” Programação sujeita à alteração. Mais informações no site www.theatromunicipal.rj.gov.br.

Foto palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Programação especial do Teatro reúne atrações variadas. Na música, apresentação da Banda dos Fuzileiros Navais,  concerto com composições de Mozart, Vivaldi, Pixinguinha, Brahms e Beatles, Ópera A Valquíria, de Wagner, além de palestra com o Maestro Silvio Viegas. Haverá também apresentação de dança, como O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky (Ato III), pelo Ballet do Theatro Municipal, Orquestra Sinfônica e Coro do Theatro Municipal.

As atividades acontecem durante todo o dia e começam pela manhã, a partir das 08:30h, com apresentação da Banda dos Fuzileiros Navais.

Confira a programação completa:

8:30h – Banda dos Fuzileiros Navais

9:30h – Os Pequenos Mozart – Escadaria do Foyer

– Concerto com composições de Mozart, Vivaldi, Pixinguinha, Brahms e Beatles

10:30h – Escola Estadual de Dança Maria Olenewa

– Estudos de Dança, de Strauss e Lumbye – Coreografia Dalal Achcar

–  La Bayadère (Suite do Pas D’Action), de Minkus – Coreografia Marius Petipa

12h – Ballet do Theatro Municipal

– O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky (Ato III) – Coreografia Yelena Pankova

14h – Coro do Theatro Municipal

– Carmina Burana, de Carl Orff

17:15h – Projeto Falando de Ópera

Palestra com o Maestro Silvio Viegas sobre A Valquíria, de Wagner

18h – Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal e solistas

– Ópera A Valquíria, de Wagner

Aniversário de 104 anos do Theatro Municipal do rio de Janeiro – Programação Especial
Endereço: Praca Marechal Floriano s/nº – Centro
Tels.: 21 2332-9191 / 2332-9134

—————————–

A atividade teatral era, na segunda metade do século XIX, muito intensa no Rio de Janeiro. Mas a então capital do Brasil não tinha um teatro que correspondesse plenamente a essa atividade e estivesse à altura da principal cidade do país. Seus dois maiores, o São Pedro e o Lírico, eram criticados pelas suas instalações, seja pelo público, seja pelas companhias que neles atuavam.

Em 1894, o autor teatral Arthur Azevedo lançou uma campanha para que um teatro fosse construído para ser sede de uma companhia municipal, a ser criada nos moldes da Comédie Française. Mas a campanha resultou apenas em uma Lei Municipal, que determinou a construção do Theatro Municipal. A lei, no entanto, não foi cumprida, apesar da existência de uma taxa para financiar a obra. A arrecadação desse novo imposto nunca foi utilizada para a construção do Theatro.

Somente em 1903, o prefeito Pereira Passos, nomeado pelo presidente Rodrigues Alves, retomou a idéia e, a 15 de outubro de 1903, lançou um edital com um concurso para a apresentação de projetos para a construção do Theatro Municipal. Encerrado o prazo do concurso, em março de 1904, foram recebidos sete projetos. Os dois primeiros colocados ficaram empatados: o “Áquila”, pseudônimo do engenheiro Francisco de Oliveira Passos, e o “Isadora”, pseudônimo do arquiteto francês Albert Guilbert, vice-presidente da Associação dos Arquitetos Franceses. O resultado deste concurso foi motivo para uma longa polêmica na Câmara Municipal, acompanhada pelos principais jornais da época, em torno da verdadeira autoria do projeto “Áquila” – que se dizia feito pela seção de arquitetura da Prefeitura – e do suposto favoritismo de Oliveira Passos, pelo fato de ser filho do prefeito, entre outros argumentos.

Como decisão final resolveu-se pela fusão dos dois projetos pois, na verdade, os dois projetos ganhadores correspondiam a uma mesma tipologia. Feitas as alterações no projeto, a 2 de janeiro de 1905, o prédio começou a ser erguido, com a colocação da primeira das 1.180 estacas de madeira de lei sobre as quais se assenta o edifício. Para decorar o edifício foram chamados os mais importantes pintores e escultores da época, como Eliseu Visconti, Rodolfo Amoedo e os irmãos Bernardelli. Também foram recrutados artesãos europeus para fazer vitrais e mosaicos.

Finalmente, quatro anos e meio mais tarde – um tempo recorde para a obra, que teve o revezamento de 280 operários em dois turnos de trabalho – no dia 14 de julho de 1909 foi inaugurado pelo presidente Nilo Peçanha o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que tinha capacidade para 1.739 espectadores. Serzedelo Correa era o prefeito da cidade.
Em 1934, com a constatação de que o teatro estava pequeno para o tamanho da população da cidade, que tinha crescido muito, a capacidade da sala foi aumentada para 2.205 lugares. A obra, apesar de sua complexidade, foi realizada em três meses, novamente em tempo recorde para a época. Posteriormente, com algumas modificações, chegou-se ao número de 2.361 lugares.
Em 1975, a 19 de outubro, o Theatro foi fechado para obras de restauração e modernização de suas instalações e reaberto em 15 de março de 1978. No mesmo ano foi criada a Central Técnica de Produção, responsável por toda a execução dos espetáculos da casa.
Em 1996, iniciou-se a construção do edifício Anexo. O objetivo foi desafogar o teatro dos ensaios para os espetáculos, que, com a atividade intensa da programação durante todo o ano, ficou pequeno para eles e, também, para abrigar condignamente os corpos artísticos. Com a inauguração do prédio, o Coro, a Orquestra e o Ballet ganharam novas salas de ensaio e bastante espaço para suas práticas artísticas.

Em 2008, com o patrocínio dos Grandes Patronos: Petrobrás, BNDES, Eletrobrás e Rede Globo de Televisão; Patronos Ouro Embratel e Vale; e dos Co-Patrocinadores Bradesco Seguro e Previdência e MetrôRio tornou-se possível iniciar a obra de restauração e modernização para o centenário do Theatro. Para tal a casa foi fechada em meados de outubro daquele ano. O Theatro Municipal reabriu em 27 de maio de 2010 totalmente reformado, após dezoito meses fechado. A obra de restauração e modernização (veja em restauro) foi a maior reforma da historia do teatro e custou R$ 64 milhões.

 Fonte: http://www.theatromunicipal.rj.gov.br/historia.html
%d blogueiros gostam disto: